Rio Harley Days – Zé Paraná

Rio Harley Days – Zé Paraná

Queria ter feito antes, mas o tempo anda correndo de mim. Segue aí
um resuminho do que foi o encontro da HD no Rio no início de novembro. Coloquei umas fotos para ilustrar.

Sem a Drica acabei não indo no evento na sexta-feira. Pena, porque acredito que foi o melhor show dos 3 dias, Creedence Cover. No sábado peguei a motoca e a Maria Luiza, filhota de 12 anos, e fui para lá. Bastante organização na entrada e estacionamento, pelo menos para os que chegaram montados numa Harley. Uma boa estrutura para exposição das motos, venda de artigos da marca (roupas e acessórios pessoais). Alguns expositores de customização com coisas
legais, mas acho que este foi um
dos pontos mais decepcionantes: não haviam muitos. Pela chamada para o evento parecia que haveria muito mais. Havia exposição das motos dos batedores do Exército e da Marinha que estavam dando
bastante suporte ao evento. Inclusive o Exercito promoveu uma atividade que achei bastante interessante. Uma competição de “Marcha Lenta”. Talvez vocês já conheçam, mas eu não conhecia. Na verdade é uma corrida para ver quem chega por último. Os pilotos saem se equilibrando na menor velocidade possível sem tocar o chão com os pés ou queimar as linhas de faixas pintadas no chão. Dividiram por categorias de motos da Harley e inscreviam-se quem quisesse participar. Esta foi uma das participações do Elbando. Competi no grupo softail e, lamentavelmente, acho que fiquei em último lugar rodando apenas 1 ou 2 metros sem tocar o chão. Mas adquiri experiência. Na verdade notei que nas bateias formadas por 6 competidores, dificilmente mais do que 2 chegam ao final sem tocar o chão com os pés. Ou seja, basta chegar no final do percurso que estará classificado para a próxima fase. Nas outras fases a competitividade aumenta. De qualquer maneira,
achei um tipo de atividade muito interessante que poderia ser implementada com mais frequência nos eventos por aí. Outra atividade interessante era o test drive das motocas da Harley. O problema era a fila para agendamento. Além de longa, as motos mais concorridas somente conseguiam ser agendadas para muito tempo depois. Acabei conseguindo agendar um test drive na VROD Muscle somente para o dia seguinte. Em seguida encontrei o Barreto e o Lupércio e as respectivas esposas. Conversamos um pouco, mas como já havia algumas horas que estava por lá, a Maria Luiza já cansada de tanta moto os deixei e voltei para casa. Só dei uma olhadinha rápida no show do Beatles Cover e saímos. No domingo acabei deixando a motoca em casa para levar o João Guilherme e a minha Mãe. Então descobri que se você não está montado numa Harley as coisas não são tão organizadas assim. Já saí para lá depois do almoço e cheguei em cima da hora para dar uma rodada
com a VROD. O percurso não era muito longo e um pouco tumultuado já que o aterro do Flamengo é fechado aos domingos. De qualquer maneira consegui dar umas aceleradas na motoca. Tem um visual muito legal e acelera muito. Foi muito bom. Como podia levar garupa, minha mama com seus 6x anos colocou no currículo uma andada de VROD Muscle. Tem umas fotos anexas. Na volta já eram umas 4 da tarde e fomos olhar o show da Blitz. Eu gostei bastante já que para quem tem 40 e alguns anos, eles lembram uma fase muito boa da juventude. Foi muito legal. Resumindo foi esta a minha participação no evento. A ideia era curtir um pouco mais com a Drica, mas o importante é que a cirurgia dela foi um sucesso e em breve estará com a visão restabelecida.

Zé Paraná

Compartilhe!

One Response »

  1. Los felicito en su viaje hacia el North, soy Argentino viviendo en San Francisco California, y pienso hacer el viaje de California Argentina en 2012

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *