Royal Enfield FAQ

Royal Enfield FAQ
Royal Enfield FAQ

FAQ significa “Frequently Asked Questions”, ou seja “Perguntas mais frequentes”. Estamos reunindo aqui nesta página as dúvidas frequentes que vamos ouvindo ao vivo ou nas redes sociais. Assim fica bom pra todo mundo, registrando e esclarecendo forma organizada.

Iniciativa nossa de proprietários das motocas, sem influência da fábrica. Divirta-se com a leitura e explore os links indicados, textos e vídeos. Tem muita coisa interessante!

 

APOIADOR

24h por dia de Rock e Blues – clique para ouvir enquanto lê a FAQ
 

RELAÇÃO DAS DÚVIDAS JÁ RESPONDIDAS NO TEXTO

DESTAQUE SOBRE LANÇAMENTO DA HIMALAYAN. Notícias e curiosidades!

01- COMO É ANDAR NUMA ROYAL ENFIELD?
02- QUE MOTO É ESSA? É CHINESA?
03- QUE OUTROS MODELOS TEM?
04- QUAL É MAIS CONFORTÁVEL PARA GARUPA, BULLET OU CLASSIC?
05- VAI TER OUTRAS REVENDAS NO BRASIL?
06- TEM EM QUAIS PAÍSES VIZINHOS?
07- SERÁ QUE É VISADA? QUANTO É O SEGURO?
08- POR QUE O MOTOR É FRACO ASSIM?
09- QUAL O CONSUMO DE GASOLINA?
10- QUAL A VELOCIDADE MÁXIMA?
11- MAS ELA VIAJA? AGUENTA?. Conheça o LIVRO DE AVENTURAS!
12- MAS ELA VIBRA MUITO?
13- DÁ MUITA MANUTENÇÃO?
14- O QUE FAZ NA REVISÃO?
15- MORO LONGE DA CONCESSIONÁRIA, COMO FAÇO?
16- MAS PODE RODAR SEM PLACA?
17- MAS E A GARANTIA?
18- ENCONTRA PEÇA FACILMENTE NO BRASIL?
19- AS PEÇAS SÃO CARAS?
20- QUAIS PEÇAS SÃO COMPATÍVEIS COM OUTRAS MOTOS?
21- QUAL GASOLINA USAR NESSA MOTO?
22- POR QUE O FREIO TRASEIRO AINDA É A TAMBOR?
23- SOBRE O ABS, COMO É? E TEM COMO DESLIGAR?
24- TEM CONSORCIO? FINANCIA? PEGA MOTO USADA NO NEGÓCIO? QUE CORES TEM? QUANTO CUSTA CAMISETA, LUVA, JAQUETA, ETC?
25- PARCEIROS DE VENDA EM OUTROS ESTADOS
26- O MODELO QUE QUERO NÃO VENDE AQUI AINDA. POSSO IMPORTAR?
27- O MODELO QUE QUERO NÃO VENDE AQUI AINDA, MAS TEM EM UM PAÍS VIZINHO. POSSO IR LÁ COMPRAR E VOLTAR RODANDO PRO BRASIL?
28- QUAL A PRESSÃO DOS PNEUS?
29- E ACESSÓRIOS, TEM? ONDE ENCONTRAR?
30- É VERDADE QUE A HIMALAYAN QUEBRA, ENFERRUJA, TEM MIL DEFEITOS?
31- POR QUE O ESCAPE FICA AZULADO? TEM CONSERTO?
32- MEU MECÂNICO FALOU QUE TEM QUE REGULAR AS VÁLVULAS DEVIDO AO BARULHO, ESTÁ CORRETO?
33- AQUELE ACESSÓRIO REDUTOR DE VIBRAÇÃO DA CARBERRY FUNCIONA?
34- E A HIMALAYAN 650 VEM PRO BRASIL?
35- DÁ PRA MUDAR A COROA OU PINHÃO DA HIMALAYAN E TER MAIS VELOCIDADE FINAL?
36- AS MOTOS ROYAL ENFIELD SÃO MONTADAS NO BRASIL?
37- TEM PLANO PARA FABRICAR NO BRASIL?
38- SE FABRICAR NO BRASIL, OS PREÇOS VÃO BAIXAR OU SUBIR?
39- QUE MERDA É ESSA DE REVISÃO AOS 500Km?
40- QUAL MODELO DA ROYAL É MELHOR NA ESTRADA?

————————————————————————
ESPECIAL LANÇAMENTO HIMALAYAN NO BRASIL DIA 22/01/2019
– SITE DA MOTOCA: Página da Himalayan no site Royal Enfield Brasil
AGENDE SEU TEST-DRIVE PELO SITE Não precisa mais agendar. Só chegar na loja, fazer a ficha cadastral / termo de responsabilidade e aguardar a vez. Sábado é o pior dia, tem mais gente e fila grande.
– Disponível na concessionária a partir do dia 23/01/2019. Quem pegou a primeira? Marli Rebeche, a formiga atômica!
– Preço: R$18990,00 na loja em SP, sem frete. 750 reais de frete em Brasília. 600 reais de frete em Curitiba. CONSULTE A CONCESSIONÁRIA!
– Novas Lojas: Brasilia em 19/03, Curitiba em 08/06, Campinas/SP em 27/07, BH, Rio de Janeiro, Ribeirão Preto e mais 4 cidades. Veja a tabela de Concessionárias onde tem contato, endereço, telefone, site, instagram, etc, mais pra baixo na pergunta 5.
– SIM, boa pro dia-a-dia urbano, faz 28Km/l em média. Bom torque, agilidade, retomadas.
– SIM, boa pro off-road, leve ou pesado. Pode moer que ela aceita! Não se sente o peso dela nas manobras. Firme no chão, traciona bem. Dúvidas veja os vídeos do Bressan, link mais pra baixo.
– Para viagens longas no asfalto, tem a mesma pegada da Teneré250, velocidade máxima 130 (esgoelando e bebendo muito). Velocidade boa de cruzeiro 110 e ainda tem folga pra ultrapassagens. Viaja a 120 mas já fica sem folga. Torque bom, mantém a velocidade nas subidas. Mas depende do peso (piloto+garupa+carga) é obvio!
– Acessórios no Brasil: espere os originais na loja, ou espere os empreendedores brasileiros apresentarem seus produtos. Já já aparecem, vários estão desenvolvendo novidades (tem uma lista lá na seção de acessórios mais pra baixo).

– Defeitos, pontos negativos da Himalayan:
Aos 30 dias: estamos em lua-de-mel, não pergunte se a noiva peida ou ronca, porque no início tudo é lindo e cheiroso!

Após 60 dias: Algumas motos tem um meladinho no lado esquerdo do cabeçote, em dois parafusos. Basta reapertar ou trocar esses parafusos e suas arruelinhas em garantia. A minha tem isso, rodei 7000Km sem alterar o nível do óleo. Se isso lhe preocupa, arrume na concessionária, na autorizada, ou na sua oficina de confiança. Ocorreu a primeira quebra de bagageiro, proprietário informou não ter passado dos 5Kg. Vários donos estão reforçando as laterais do bagageiro original para evitar a oscilação e fadiga do material. Veja a entrevista da Rádio 4 Tempos com Bressan onde ele cita os pontos de quebra. Com esse reforço até dá pra passar de 5Kg, mas não sabemos o limite ainda.

Após 90 dias: Pelo menos 5 bagageiros quebrados, incluindo um que rampou lombada e um que teve o reforço básico de duas chapas (quebrou na outra curva). O meu ainda está intacto, uso um bauleto pequeno (Melc de 29 litros) e carrego pouca coisa (capa de chuva, miudezas). Pessoal encomendando bagageiro mais resistente no serralheiro local. Também já apareceram reforços mais bem elaborados. Contatos na seção de acessórios lá pra baixo nesta página na pergunta 29. Fique de olho também no facegrupo Royal Enfield Customization Brazil, link mais pra baixo.

VÍDEO DO LANÇAMENTO:

Curiosidades:
– O vídeo do lançamento foi filmado em 21/12/18, com a participação de Moara Sacilotti, piloto profissional de off-road com 18 participações no Rali dos Sertões e vencedora de vários campeonatos nacionais e internacionais de Rali, e Flávio Bressan, proprietário pioneiro da Classic 500 desde 2012, Continental GT 2017 e usuário frenético das motos. Veja como foi em vídeo – as primeiras impressões do teste pré-lançamento

– Suzane Carvalho postou no canal youtube dela o vídeo legendado sobre o desenvolvimento da Himalayan. Vale MUITO a pena conhecer. Dá vontade de largar tudo e sair viajando de moto pelo mundão!

– Após o lançamento para imprensa em 22/01/19, nos três dias seguintes 20 motos foram colocadas a disposição para test-rides com jornalistas e “digital influencers”, em um circuito misto de asfalto, terra e trilha na região de Jundiaí. Eduardo Saura filmou a apresentação técnica assista e saiba mais detalhes do desenvolvimento da Himalayan.

– No dia 26/01/19 sábado algumas motos já estavam na concessionária Royal Enfield SP para test-rides com clientes. Marli pegou a moto dela no dia anterior, sendo a primeira Himalayan a sair da loja. Bressan pegou a Hima dele, rodou um pouco em Sampa e foi pra Brasília.

– Felipe Aguirre chegou aos 10000Km no meio de maio. Roda bastante todo dia e rapidinho fez a primeira revisão de 10000Km no Brasil! Duas semanas depois, início de junho, a moto do Bressan também atingiu 10000Km e foi pra revisão. Tem vídeo aqui!.

NOTÍCIAS JORNALÍSTICAS:
Notícia Site iCarros
Notícia do Jornal do Carro
Notícia do Jornal O Globo
Notícia do Site Motor1
Notícia do site Moto.com.br

VÍDEOS JORNALISTICOS:
– iCarros: https://www.youtube.com/watch?v=jCXvTRMXMHg
– Revista Duas Rodas: https://www.youtube.com/watch?v=tbDpDLM2RsU
– TV InfoMoto: https://www.youtube.com/watch?v=0S_qHCKgN6M

VÍDEOS DOS YOUTUBERS CONVIDADOS:
– Moto Relax: https://www.youtube.com/watch?v=kF0TAseuduQ
– Motorama: https://www.youtube.com/watch?v=ibQILlkZTeE
– Canal do Ruba: https://www.youtube.com/watch?v=hvsJG50EC7M
– Eduardo Saura: https://www.youtube.com/watch?v=QrwFJTkeKvs
– Harleys de Sampa: https://www.youtube.com/watch?v=S8rHfMa9hdU
– MotoPlay: https://www.youtube.com/watch?v=3CPw2l3snVU

RELATOS DE PROPRIETÁRIOS:
– Bressan: vídeo – as primeiras impressões do teste pré-lançamento
– Bressan: texto – Himalayan estréia na estrada
– Bressan: vídeo – Entrevista Rádio 4 Tempos especial sobre a Himalayan

— — — — — —


1- COMO É ANDAR NUMA ROYAL ENFIELD?
É BOM DEMAIS! Fiz uma avaliação depois de testar os novos modelos 2017 no lançamento em abril. Ali explica como é andar com elas, e as demais informações (preços, cores). Leia neste link: Testando as novas Royal Enfield 2017. O canal Motorama estava no lançamento e fez as avaliações deles: Lançamento das Royal Enfield em Abril/2017

Em dezembro/17 comprei uma Continental GT 535 e fiz um relato da compra e dos primeiros 1500Km rodados, onde peguei na loja, fui pra Brasília de novo rodando e troquei o óleo no meio do caminho. Leia aqui: Continental GT 535

O Guilherme de Freitas, autor do canal Moto Relax no Youtube também é um grande entusiasta, e fez várias entrevistas com proprietários:
Sr. Adail – https://www.youtube.com/watch?v=8IT9FHMqt2E
Bruno – https://www.youtube.com/watch?v=t-QjACdd0aU
Bressan – https://www.youtube.com/watch?v=AKk6aUyp3Vg
Sr. Reinaldo – https://www.youtube.com/watch?v=k2r512vmZ2I

Veja também:
– Tem vários outros proprietários entrevistados, confira no canal do Guilherme!
– o vídeo do Sr. Adail explicando tudo sobre o SIDECAR.
– o review da Himalayan feito por um integrante do El Bando Moto Grupo em Portugal

– x – Bullet 500 Classic 500 Continental GT 535 Himalayan 410
Videos de Proprietários Thiago Moreno – Comprei uma Bullet 500, e agora?

Thiago Moreno – Avaliação após 6000Km

Moto Relax – Subindo morro na Bullet com garupa
Igor Ura – Canal Socratinando

Fernando Cominato – Cominato Roots Garage – dicas de mecânica para a Classic 500

Marcos Souza – Canal M Souza081.

Alex Marciano – Canal Royal Classic Life

Azeitona – Canal Azeitona & Cia

Bressan – Playlist de vídeos sobre sua Classic
Moto Relax – Teste longo com a Continental GT

Bressan – Playlist de vídeos sobre sua Continental GT
Moto Relax – Rodando com a Himalayan

Bressan – Playlist de vídeos de sua Himalayan

Anderson – Vídeos com sua Himalayan

João Muriel – Vídeos com sua Himalayan

NetHouse – Vídeos com sua Himalayan

Textos Jornalisticos Tite Simões – Classica zero km Royal Enfield Bullet

Moto.com.br – Bullet 500 é moto para curtir a viagem sem pressa

Infomoto – Avaliacao Royal Enfield Classic 500 no dia-a-dia Arnaldo Keller – Continental GT uma adorável Cafe Racer Marcilio Braz – Review da Himalayan
Vídeos Jornalísticos Bullet 500 Motorama – Classic 500 do Bressan

Arnaldo Keller – Testando e rodando com uma Royal Enfield Classic 500
Motorama – Apresentando a Continental GT – Primeira Cafe Racer de fábrica

Arnaldo Keller – Avaliação completa da Continental GT
Himalayan 410
MinutoMotor: Test-Ride Himalayan

iCarros: Primeiro Contato

Revista Duas Rodas: Comparativo Lander x XRE x Hima

TV InfoMoto: Teste Himalayan

Grupos de usuários:
Facebook: Fanpage Royal Enfield Brasil
Facebook: Royal Enfield Himalayan Brasil
Facebook: Royal Enfield Customization Brazil
Facebook: Royal Enfield Bullet/Classic Mecânica

Whatszapp: Contate os administradores das páginas no facebook primeiro. Já existem grupos regionais no zap também, pois o grupo nacional é bem movimentado e não se restringe a falar apenas de Royal Enfield.


2- QUE MOTO É ESSA? É CHINESA?
A Royal Enfield é uma pioneira do motociclismo mundial. Fundada em 1901 NA INGLATERRA e em atividade até hoje. Foi líder até os anos 60, venceu competições importantes e concorria com Triumph, Norton, BSA que se uniram em um grupo rival. Todas elas morreram nos anos 70 com o sucesso fabuloso da Honda CB750. A Royal Enfield fechou a fábrica na Inglaterra mas tinha uma fábrica na Índia, criada a partir de 1955 para fornecer motos ao exército indiano. Com a queda da fábrica da Inglaterra, a fábrica da Índia foi vendida aos empresários indianos e nunca parou de produzir. Por isso a Royal Enfield é considerada a marca mais antiga em operação sem interrupções, desde 1901. A Harley-Davidson opera sem interrupções desde 1903. A Indian (1901) e a Triumph (1902) estão ativas hoje, mas tiveram anos e anos sem produção após a primeira falência, são marcas “ressuscitadas”. Não é nenhum demérito, todas merecem respeito por sua história no motociclismo.

Veja aqui o vídeo com a história dela!

Na Índia, a Royal Enfield é a líder no segmento de média cilindrada, e a quinta maior fábrica da Índia. Produz 650mil motos por ano (e crescendo), uma operação maior que a da Harley-Davidson que está na faixa de 550mil motos por ano. Desde 2009 a Royal Enfield está em expansão mundial, abrindo revendas nos 5 continentes. Hoje na América do Sul já tem 20 lojas espalhadas por todas as capitais principais, e no Brasil inaugurou a primeira concessionária oficial em São Paulo em 25 de Abril 2017. Ver mais abaixo a lista das novas concessionárias sendo abertas em 2019.


3- QUE OUTROS MODELOS TEM?
No Brasil temos desde 2012 o modelo Classic 500, em 2017 chegaram os modelos Bullet 500cc e a cafe racer Continental GT de 535cc, e agora em janeiro 2019 a Himalayan 411cc. No exterior além dos modelos citados tem também Bullet e Classic de 350cc. Existe também um modelo chamado RUMBLER ou THUNDERBIRD (depende do país onde é vendida) de 350 e 500cc que tem tanque de 20 litros, banco em dois níveis, painel mais moderno em relação à Bullet/Classic e seria para um uso mais confortável em viagens. Há também séries especiais com poucas unidades, como a DISPATCH (Motos Classic 500 militares com pintura camuflada. Foram lançadas em julho de 2015, 200 unidades de cada cor – verde, areia, azul – e TODAS vendidas no mesmo dia!), e a REDDITCH (motos Classic 350cc com pintura sólida, lançadas em 2017, homenageiam estilo das Royal Enfield dos anos 50).

Em 7/11/17 no EICMA 2017, a Royal Enfield apresentou dois modelos totalmente novos, utilizando o motor bicilíndrico de 650cc recém-projetado. São a Interceptor 650 e a Continental GT 650. No Salão Duas Rodas em São Paulo 2017, lançaram as Redditch com 500cc, inéditas no mundo. No início de 2018 lançaram uma série especial com 500 unidades da Himalayan chamada Sleet, com pintura branca/cinza e malas laterais de alumínio. Para janeiro 2018 houve o lançamento das Thunderbird 350X e 500X. Em Junho 2018 a Royal lançou a Série limitada Pegasus, de 500cc. Agora no final de agosto 2018, lançaram na Índia as 350cc Série Signals.

No dia 5/11/18, após anos de desenvolvimento, as bicilindricas 650cc foram lançadas no mercado, inicialmente na Califórnia. Já estão sendo vendidas em vários países. No Brasil a previsão é final de 2019 ou inicio de 2020, depende do processo de homologação do motor nos órgaos federais. Este processo na Himalayan levou um ano! Esperamos que corra mais rápido com melhor experiencia do time Royal Enfield Brasil.

No evento EICMA 2018, a marca apresentou um modelo conceitual chamado KX Concept, inspirado em sua V2 KX 1140cc de 1938! Ainda um exercício de design, sem pretensões de fabricação, para mostrar ao público que mesmo “tradicional” a empresa está de olho no futuro.

Em março de 2019, a Royal Enfield homenageia suas motos campeãs de off-road entre 1948 e 1953, lançando as TRIALS WORKS REPLICA. São Bullets de 350 e 500 cilindradas, com pneus mistos, escape alto, bagageiro no lugar do banco do garupa. Entre outras mudanças visuais, destaca-se a pintura “chamativa” que é similar a das competições dos anos 50. Para ter uma idéia, elas venceram seis vezes o International Six Days Trial, que é “apenas” o pai do motocross de hoje!

Veja a tabela de modelos e detalhes nos links abaixo:

MODELO CILINDRADA INFO BRASIL
Interceptor 650 e Continental GT 650 650 LINK
Lançadas mundialmente em 23/09/18
2017: Final de 2018
2018: até Julho/2019
2019: Salão Duas Rodas
Continental GT 535 LINK Disponível desde 25/04/2017. Saiu de linha, devido ao lançamento da Continental GT 650
Classic 500 LINK Disponível desde 25/04/2017
Bullet 500 LINK Disponível desde 25/04/2017
Rumbler/Thunderbird 500 LINK Sem previsão
Série REDDITCH 500 Originalmente eram 350cc na ÍNDIA! Lançadas NO BRASIL as Redditch 500cc em NOV/17 no Salão 2 Rodas
Série Especial Pegasus 500 Conheça a origem da Pegasus Lançada no BR em 18/09/2018. Apenas 60 unidades vieram pro Brasil!
Série Especial Dispatch 500 Série Despatch toda vendida em meia hora! Só se vc customizar a sua!
Bullet Trials Work Replica 500 Lançada 26/03/19 na Índia sem previsão
Himalayan 410 LINK 22/01/2019 veja matéria
Série Especial Sleet 410 Lançamento da Himalayan Sleet Sem previsão. Na Índia já virou modelo normal da linha
Bullet 350 LINK Sem previsão. A configuração atual dos motores 350cc ainda não atendem as normas antipoluição brasileiras
Classic 350 LINK Sem previsão. A configuração atual dos motores 350cc ainda não atendem as normas antipoluição brasileiras
Rumbler/Thunderbird 350 LINK Sem previsão. A configuração atual dos motores 350cc ainda não atendem as normas antipoluição brasileiras
Rumbler/Thunderbird Série X 350 Comparação da Série X com a Thunderbird original Sem previsão. A configuração atual dos motores 350cc ainda não atendem as normas antipoluição brasileiras
Série REDDITCH 350 Lançamento Série Redditch na ÍNDIA! Sem previsão. A configuração atual dos motores 350cc ainda não atendem as normas antipoluição brasileiras
Série SIGNALS 350 TEXTO
VIDEO
Sem previsão. A configuração atual dos motores 350cc ainda não atendem as normas antipoluição brasileiras
Bullet Trials Works Replica 350 TEXTO Sem previsão. A configuração atual dos motores 350cc ainda não atendem as normas antipoluição brasileiras


4- QUAL É MAIS CONFORTÁVEL PARA GARUPA, BULLET OU CLASSIC?
O banco da Bullet é mais largo, com espuma fina. O banco de garupa da Classic é mais estreito mas tem espuma alta. A sensação de conforto é pessoal, o ideal é você fazer o test-ride nas duas motos com sua garupa presente. Mas nem sempre temos condição de fazer o ideal não é mesmo? Relatos de outros proprietários da moto que fizeram os dois rides tem apontado que o da Bullet é mais confortável por ser largo. De qualquer forma, sempre se pode levar o banco a um capoteiro e fazer um novo enchimento adequado à sua necessidade.


5- VAI TER OUTRAS REVENDAS NO BRASIL?
Sim! A estratégia da empresa é crescer no mundo todo. Se tem 9 revendas na Colômbia, porque não teria muitas mais no Brasil? A motoca é 10, falta o brasileiro conhecer melhor. Cobre iniciativa daquele seu amigo empresário de revenda de motos na sua cidade!

ATUALIZAÇÃO: No lançamento da Himalayan no Brasil, em 22/01/19, foi revelado que em 2019 a meta são 10 novas revendas (BH, Rio de Janeiro, Curitiba, Brasilia, Campinas e mais 5 cidades), e também mais oficinas autorizadas.

CONCESSIONÁRIAS

CIDADE ENDEREÇO CONTATO REDES SOCIAIS
São Paulo Capital Showroom: Av. República do Líbano, 2099 – Ibirapuera
Oficina: Av. Anapurus, 390 – Indianópolis
Showroom: (11) 5051-7700 ou 95486-1718
Oficina: (11) 5052-1744 ou 95486-1746
Site: LINK
Facebook: LINK
Instagram: LINK
Brasília Setor Concessionárias Aeroporto – Lago Sul (61) 2107-9900 ou 98371-7650 Site: LINK
Facebook: LINK
Instagram: LINK
Curitiba AV. Mario Tourinho, 710 – Seminário (41) 3075-0537 Site: LINK
Facebook: LINK
Instagram: LINK
Campinas/SP Av Barão de Itapura, 1996 – Jardim Guanabara (19) 3381-2004 Site: LINK
Instagram: LINK
Ribeirão Preto ??? a descobrir local e data Instagram: LINK
Belo Horizonte ??? a descobrir local e data ???
Rio de Janeiro ??? a descobrir local e data ???
Número 7 ??? a descobrir local e data ???
Número 8 ??? a descobrir local e data ???
Número 9 ??? a descobrir local e data ???
Número 10 ??? a descobrir local e data ???

OFICINAS AUTORIZADAS – ASC – AUTHORIZED SERVICE CENTER
Foguinho Motogarage – Av. Osvaldo Cruz, 185 – São Caetano do Sul – Fone: (11) 4227-5226 ou Foguinho (11) 98550-8840 ou Vitor (11) 99122-9009

Veja o MAPA ROYAL AMERICA DO SUL. Ajude-nos a atualizar com novos pontos de interesse (revendas, oficinas, etc) no Brasil e exterior, indicando o local nos comentários ao final do texto.


6- TEM EM QUAIS PAÍSES VIZINHOS?
Tem em quase todos! Desde 2009 a Royal Enfield iniciou suas operações na América do Sul, incluindo o Brasil. Aqui tivemos o parceiro importador até 2014, e depois a marca veio oficialmente. A relação completa dos países com revendas Royal Enfield (54 países em 06/09/2018) fica neste LINK. Veja a tabela abaixo, e note que existem revendas em vários países vizinhos!

País Início Operação Lojas
Colômbia 2009 Própria Bogotá, Medellin, Cali, Barranquilla, Bucaramanga, Ibagué, VillaVicenzio, Pereira
Uruguai 2010 Importador Montevideu e Punta del Este
Paraguai 2010 Importador Assuncion
Bolívia 2010 Importador La Paz, Cochabamba, Sta Cruz de La Sierra, Oruro, Trinidad, Tarija
Chile 07/09/17 Importador, antes outro importador Santiago, Concepcion, Temuco
Equador 2016 Importador Quito, Guayaquil, Cuenca
Peru 08/01/14 Importador Lima e Trujillo
Brasil 25/04/17 Própria, antes via importador São Paulo
Argentina 13/03/18 Própria, antes via importador Buenos Aires
Costa Rica Importador San José
Guatemala Importador Cidade da Guatemala
México Própria, antes via importador Cidade do México, Puebla
Estados Unidos Própria, antes via importador presente em 35 estados!!
Canadá Própria, antes via importador Calgary, Edmonton, Langley, Sooke, Windsor, Acton, Oakville, Rockland, Toronto, Montreal


7- SERÁ QUE É VISADA? QUANTO É O SEGURO?
Como que uma moto que não serve pra fugir nem pra ostentar vai ser visada por ladrões? A outra causa de roubo é encomenda, o mercado de peças roubadas. E aí vai da SUA atitude de não ficar encomendando peça nas “robauto” da vida. As peças da Royal são baratas, então deixe de pilantragem. O valor do seguro depende de um monte de coisas. No meu perfil (48 anos, Brasilia) deu na faixa de 1000 reais. Pilotos mais jovens e moradores de SP e RJ pagam mais caro, até 2000 reais. Meu seguro faço com a corretora ALL RIDERS, que é pioneira no ramo. Entre no site e faça sua cotação.


8- POR QUE O MOTOR É FRACO ASSIM?
As clássicas tem um monocilindro de projeto antigo, robusto, pesado, feito pra durar, não pra fazer racha com CB300 nos semáforos. A potência de 27cv (Bullet e Classic) e 29cv (GT 535) pode ser baixa para os dias de hoje, mas é adequada para a proposta da moto (tocada tranquila, economia e durabilidade). Vá ver o torque que essa moto tem e o prazer de pilotar que ela proporciona! Não é defeito, é característica! 😉

ATUALIZAÇÃO 2019:
A Himalayan é um projeto todo novo, mas também prioriza o torque em baixa rotação. A potência de 25cv é compatível com projetos refrigerados a ar do mesmo estilo, como a antiga Falcon.


9- QUAL O CONSUMO DE GASOLINA?
Os modelos de 500cc consomem de 30 a 35 Km/l na cidade, e 23 a 30Km/l na estrada. Tudo depende do acelerador! É uma moto de muita força em baixo giro, por isso na cidade a Royal Enfield é mais econômica. Na estrada, o giro é mais alto, e assim o consumo fica maior.

ATUALIZAÇÃO 2019:
O consumo da Himalayan informado pela fábrica tem média geral de 28Km/l. Na prática tem variado entre 23 a 32 conforme a gasolina e a tocada. Ver o relato Himalayan estréia na estrada, onde constam detalhes dos abastecimentos da moto do Bressan.


10- QUAL A VELOCIDADE MÁXIMA?
A MINHA Classic 500 ano 2012 chegou a 147Km/h no plano, pelo GPS. Não recomendo! Quer correr, compre outra moto. As motos 2017 tem outras restrições devido ao controle de emissões de poluentes e não estão chegando aos meus 147Km/h. A Bullet tem o mesmo motor então a máxima deve ser similar. A Continental GT é um pouquinho mais rápida de tudo, e consegui 150 em estrada plana (modelo 2017).

ATUALIZAÇÃO 2019:
A Himalayan chega a 130 no plano e 140 na descida. Na prática, a velocidade de cruzeiro sozinho é de 100 a 110 com folga para ultrapassagens. Com garupa e bagagens, depende do peso total, mas dá pra rodar a 110 tranquilo. Douglas Xavier mudou o kit relação e atingiu 160Km/h com sua Classic 500 Stealth Black!


11- MAS ELA VIAJA? AGUENTA?
COM CERTEZA! Viajei com minha Classic 500 desde o primeiro dia, saiu da loja em Sampa e foi pra estrada, pra Brasília. Fui com calma, amaciei direito, e depois fui aumentando os passeios. Fui pra BH, Sampa de novo, Bahia, e em 2015 fiz o Tocantins e a Transamazônica sozinho com ela. Um trajeto de 7200Km que teve 2000Km de terra. Viajei normalmente, por asfalto, terra, rodei o dia todo, vários dias seguidos. A moto resistiu muito bem sem qualquer problema. Viajo a 110Km/h mesmo em outras motos mais potentes que tive, é o meu jeito. Se precisar, ela tem folga pra ultrapassar a 120, 130. Em ladeiras suaves você nem sente, e em ladeiras mais íngremes tem que baixar a marcha pra obter mais força. Igual a qualquer moto.


Agora já temos vários outros aventureiros de Royal Enfield no Brasil, fazendo grandes viagens. O registro aqui no “Livro de Aventuras” é para inspirar novas aventuras! Vá pra estrada, agora é sua vez de fazer história!

Categoria Royal Rider KM Roteiro Ano
Bullet 500 Zé Maurício, São Paulo 8400 São Paulo até os Andes Argentinos, onde chegou aos 4972m de altitude em Abra Del Acay. 2018
Bullet 500 Rafael Mendes, João Pessoa 7900 João Pessoa, Brasília, São Paulo, Foz do Iguaçu e retorno 2018
Bullet 500 Thiago Moreno, São Paulo 2250 Batevolta São Paulo a Brasília 2018
Classic 500 Antônio Ribeiro, Manaus 7500 Passeio pelo nordeste 2018
Classic 500 Bressan, Brasilia 7200 Transamazônica 2015
Classic 500 Fernando Cominato, Analândia/SP 6800 Nordeste 2017
Classic 500 Antonio Ribeiro, Manaus 6500 de Manaus aos Andes Peruanos e Bolivianos. Atingiu 4872m de altitude. 2019
Classic 500 Marcelo Dias, Porto Velho 6500 de Porto Velho aos Andes Peruanos e Bolivianos. Atingiu 4765m de altitude. 2018
Classic 500 Alessandro Casagrande, Curitiba 4500 Andes Argentinos 2018
Classic 500 Bressan, Brasília 4000 Bahia 2014
Classic 500 Caio Justo, São Paulo 3500 Uruguai, Buenos Aires e retorno 2018
Classic 500 Luiz Brasil
Renato
Nagib
3200 São Paulo a Belém, retorno pra casa após a compra (recorde!) 2017
Classic 500 Guilherme MotoRelax, São Paulo 2700 Serras Catarinenses 2017
Classic 500 Rey Smith, Caxias do Sul/RS 2500 Uruguai e Buenos Aires 2018/19
Classic 500 Luiz Brazil, Belém 2400 Belém-Palmas-Belém 2018
Classic 500 Everton, São Paulo 2400 São Paulo-Curitiba-Entre Rios-Tiradentes-São Paulo 2017
Classic 500 Allan Giroto, São Paulo 1600 Brasília-Minas Gerais-São Paulo 2017
Classic 500 com Sidecar Reinaldo Miller, São Paulo 2650 Botucatu a Diamantina e Santurário do Caraça, MG, e retorno 2017
Classic 500 com Sidecar Adail Lester, São Carlos
Reinaldo Miller
1300 São Carlos e Botucatu até Tiradentes/MG e retorno 2017
Classic 500 com Sidecar Reinaldo Miller, São Paulo 900 Batevolta Botucatu-Campinas-Mogi das Cruzes 2018
Classic 500 com Sidecar Edy Ferraro, Santo André
Tavares, Santos
800 Patos de Minas a Santo André e Santos, após a instalação dos sidecar da MotoCarga 2018
Classic 500 com Sidecar Carlos Jesus, Vilhena 270 Batevolta Vilhena a Cabixi, RO 2018
Classic 500 com Sidecar Adams, Brasília 270 Batevolta João Pessoa a Campina Grande, na época com uma Classic 500 ano 1995 2015
Continental GT 535 Bressan, Brasília 4600 Brasilia, Sampa, Floripa, Chapecó, Paranaíba e retorno 2018
Continental GT 535 Jonathan Lousado, São Paulo 4400 São Paulo, Gramado, Montevidéu, São Lourenço do Sul, Balneário Camboriú e retorno 2019
Continental GT 535 Stephan Santana, Santa Maria/RS 3100 São Paulo, Rio de Janeiro, Serra do Rio do Rastro e Santa Maria 2018
Continental GT Bressan, Brasília 1740 Viagem de Brasília a Palmas e retorno 2019
Continental GT 535 Bressan, Brasília 1400 São Paulo a Brasília, retorno pra casa após a compra 2017
Continental GT 535 Bressan, Brasília 960 Batevolta Brasilia a Patos de Minas 2018
Himalayan Marcelo Cassavia, São Paulo 11600 Viagem de São Paulo a João Pessoa, Transamazônica até Lábrea/AM e retorno por Cuiabá e Brasília. 2019
Himalayan Bressan, Brasília 10500 Viagem de Brasília a João Pessoa, Transamazônica até Lábrea/AM e retorno por Cuiabá e Brasília. 2019
Himalayan Fernando Vasconcelos, Rio de Janeiro 4315 Viagem do Rio de Janeiro a Chapada Diamantina/Bahia e retorno por Brasília 2019
Himalayan Marli Rebeche, São Paulo 3800 Viagem de João Pessoa a Apuí/AM, percorrendo a Transamazônica 2019
Himalayan Walter Lacerda, São Paulo 3700 Viagem de Sampa até as serras de PR, SC e RS e retorno 2019
Himalayan Fábio Fontoura, Garopaba 2415 Viagem de Garopaba a Montevidéu, Buenos Aires e retorno 2019
Himalayan Bressan, Brasília 2200 Viagem de Brasilia a Diamantina, Itabira, Mariana, Ouro Preto e retorno 2019
Himalayan Henrique Panda, São Paulo 1818 Viagem de Sampa a Serra do Rio do Rastro e retorno 2019
Himalayan Edson Fell, São Paulo 1770 Viagem de Sampa a Floripa e retorno 2019
Himalayan Danilo, Brasília 1740 Viagem de Brasília a Palmas e retorno 2019
Himalayan Ezequiel, Cascavel/PR 1280 São Paulo a Cascavel, retorno pra casa após a compra 2019
Himalayan Bressan, Brasília 1260 São Paulo a Brasília, retorno pra casa após a compra 2019

Temos também vários brasileiros indo pra Índia fazer as aventuras no Himalaia utilizando as motos Royal Enfield:
– 2016 Rômulo Provetti e Rafael Barata: https://www.youtube.com/watch?v=oAZLnLuvfdU
– 2017 Sandro Fadanelli, Edson Mesadri e amigos: https://www.youtube.com/watch?v=32AKzHILbg4
– 2017 Arthur Caldera do Infomoto: https://www.youtube.com/watch?v=JZwYf9RF0mc
– 2018 Karina Simões do Webmotors: De moto no Himalaia!

E do exterior, grandes aventuras são feitas aqui pelo Brasil utilizando as Bullet, Classic, GT e até com a Himalayan.
Classic 500 – Alemã percorre 25000Km na América do Sul
Casal de Bolivianos percorre 40000Km pela América do Sul, com duas Royal Enfield Himalayan 400 carburadas.
Facebook – Pasaporte al Sur
Canal Youtube – Pasaporte Al Sur


12- MAS ELA VIBRA MUITO?
Sim, a Bullet, Classic e GT vibram! Do mesmo jeito que vibra qualquer moto de um cilindro grande, como a Honda Falcon 400, Suzuki Savage 650, Suzuki DR650 e Suzuki DR800. Você vai sentir a vibração nos espelhos, nas manoplas e nas pedaleiras. Dependendo da rotação do motor, vibra um pouco mais, ou um pouco menos. Normal de qualquer moto. Mas pilotando, não é o fim do mundo, não cai dente, não perde a mão, e com a prática você acostuma. É comum cair uns parafusos da capa do escape, e sabendo disso você sempre dá um confere, um reaperto. Nada diferente do que fazemos com outras motos vibrantes. A Himalayan NÃO VIBRA em nenhuma rotação, motor novo, projeto novo, tudo equilibrado.


13- DÁ MUITA MANUTENÇÃO?
A minha Classic 500 agora em maio/2018 está com 55000Km rodados, e do tanto que eu bati nela, surrei, demoli nas estradas de chão, só precisei de corrente (quebrei duas por minha conta, de propósito testando a duração) e do rolamento do guidão. Defeito causado por outros, teve a questão da gasolina adulterada com solvente em Pirapora e João Pinheiro MG – Rede Petrominas, fuja! Fez mal ao bico injetor e tive que trocar. Fora isso, a moto não deu problema, e como é um projeto simples, qualquer mecânico decente pode fazer as regulagens. Melhor ainda é você se animar a aprender e mexer você mesmo, pois é tudo muito simples.

ATUALIZAÇÃO 2018: Os novos proprietários das motos 2017 tem confirmado a resistência da motoca, embora algumas poucas ocorrências tenham acontecido. Coisas banais (parafuso da capa do escape caindo devido à vibração naquele ponto, espelho com manchinhas na prata) e outras mais críticas (ajuste da lona de freio traseiro nos modelos sem ABS, coroa da Bullet quebrando dentes). Tudo serviu para melhoria da entrega técnica da moto, revendo esses itens antes de passar a moto pro dono. E o atendimento em garantia tem surpreendido a moçada, positivamente.


14- O QUE FAZ NA REVISÃO?
Não sei o que as concessionárias fazem, pois há anos não levo moto minha em concessionária. Eu troco óleo e filtro de óleo a cada 3000Km, e a cada 12000Km desmonto a moto toda, inspeciono tudo, engraxo e lubrifico. Troco óleo das bengalas. Regulo as válvulas. Verifico os rolamentos. Troco tudo que tiver que trocar. E cito de novo, em 55000Km só precisei do rolamento do guidão até hoje, pelo uso extremo em estradas de chão. Esse tipo de revisão eu faço em qualquer moto que tenho, é o meu sistema. Eu viajo muito e pra longe, preciso da moto pronta sempre pra tudo. Leva vários dias pra ser feita, não é aquela enganação de concessionária típica brasileira onde a moto entra de manhã e sai de tarde lavada porcamente.

ATUALIZAÇÃO 2018: Os amigos de SP que tem usado a concessionária estão muito satisfeitos com o pessoal, basta acompanhar os relatos na FANPAGE do facebook.

ATUALIZAÇÃO 2019: O lançamento da Himalayan trouxe grande volume de público na Concessionária SP, que decaiu um pouco no atendimento comercial, demora de retorno de contatos (zap, email, etc). Recomendo sempre que LIGUE na loja. Quem tem pressa LIGA, não manda mensagem de texto. Na parte da oficina teve giro de supervisores e mecânicos. O pouco que precisei em SP, sempre fui bem atendido. Agora temos concessionária no DF, mas levarei no meu mecânico de confiança porque faço revisão mais do que o manual indica.


15- MORO LONGE DA CONCESSIONÁRIA, COMO FAÇO?
Se a moto é do seu gosto, pode comprar a moto em SP ou DF e transportar para sua cidade. A loja tem indicação de transporte confiável. Ou pode ir rodando, sem problemas. Vários estão fazendo isso. A única recomendação minha é fazer a troca de óleo aos 500Km. Compre o kit revisão na Concessionária (filtro, óleo, o-rings/arruelas) e troque em alguma boa oficina no caminho para sua cidade. Não conhece uma boa oficina, pergunte na cidade. Exercite o contato, a amizade, o motopurismo! O Cominato (ver o link lá no inicio da página) fez um vídeo sobre a troca de óleo que explica tudo. Em relação a oficinas, CONSULTE O MAPA que foi citado mais pra pra cima, que lá tem várias oficinas indicadas pelos proprietários.


16- MAS PODE RODAR SEM PLACA?
Pode! Direto pra casa, com a NF na mão. Fiz isso com a minha Classic 500 em 2012, e de novo com a Himalayan agora em 2018. O mais rápido possível você deve iniciar o processo de emplacamento na sua cidade. Você pode também perguntar no Detran da sua cidade se pode levar a placa pra SP, lacrar na loja e já sair rodando com ela emplacada. Vai precisar da nota fiscal da moto e do decalque do número do chassi. Fiz isso com a Continental GT agora em 2017.


17- MAS E A GARANTIA?
Para trocar o óleo não afeta nada! Converse na loja sobre sua necessidade se morar longe. No meu caso, que comprei a moto zero em SP em 2012 e em 2017, fui rodando pra Brasilia, troquei o óleo 500Km depois e faço tudo com um mecânico de confiança. Faz anos que não dou mais bola pra garantia de QUALQUER fábrica. Isso não existe no Brasil, amigo! TODOS os meus amigos que precisaram de algo SÉRIO da garantia da Honda, Yamaha, Suzuki, BMW, Harley, etc, tiveram que ir pra justiça. Usar a garantia pra um arranhadinho, trocar pisca, lampadinha, é moleza, fácil. Vai tentar exigir a garantia para algum defeito realmente sério em motor, elétrica, injeção, suspensão pra ver se não vai parar na justiça. “Garantia” no sistema brasileiro de atendimento ao cliente é apenas uma amarração que fazem para morder seu dinheiro durante anos. Quantas vezes você já ouviu relato de amigo que fez revisão na concessionária e depois descobriu que o serviço não foi feito? Então vou respeitar garantia pra que? Quem garante minhas motos sou eu e o meu mecânico de confiança.

ATUALIZAÇÃO 2018: Só lembrando que já tem relatos de ótimos atendimentos em garantia feito pela concessionária Royal Enfield em SP, coisa que surpreendeu positivamente muita gente. Problemas acontecem, e a Royal Enfield Brasil mostrou um respeito ao consumidor que não vemos em outras marcas.

ATUALIZAÇÃO 2019: Continua valendo. Apareceram alguns casos onde a garantia não foi dada (embreagem ruim depois de elevação do guidão e enforcamento do cabo de embreagem, por exemplo) e outros casos deram garantia normalmente (especialmente o caso do gaúcho quebrador de raios).


18- ENCONTRA PEÇA FACILMENTE NO BRASIL?
As poucas peças que precisei eu peguei em SP com o importador antigo, e chegou em casa no tempo do Correio (PAC, uma semana). Com a nova operação sendo apoiada pela própria fábrica, não tem porque ter receio de faltar peças. Além disso, tem peça no mundo todo pra ela, pois está há muitos anos no mercado. Eu entendo a preocupação de todos com uma marca “nova e desconhecida”, se fosse uma demonha chinesa eu também estaria preocupado. Mas a Royal Enfield é uma empresa consolidada no mundo, apenas desconhecida no Brasil. Pra mim, a moto é robusta, confiável, e pra quem vai rodar sem os meus exageros a motoca vai durar pra sempre. Acho que só vai precisar de peça mesmo quem se envolver em algum acidente com a moto.
Veja esta notícia de 27/11/2017: Royal Enfield monta centro de peças em SP


19- AS PEÇAS SÃO CARAS?
Não sei os preços atuais, mas em 2015 antes de ir pra Amazônia, comprei um monte de coisas sobressalentes. O filtro de óleo era 8 reais, o filtro de ar foi 25 reais. Cabo de acelerador foi 28 reais. O bico injetor foi mais caro, na faixa de 800 reais em 2014. O kit relação original, completo (pinhão, corrente, coroa) foi 200 reais em 2013.


20- QUAIS PEÇAS SÃO COMPATÍVEIS COM OUTRAS MOTOS?
Qualquer moto tem peças específicas (motor e quadro, por exemplo) e o resto vem de fornecedores do mercado (freios, filtros de ar e óleo, molas, amortecedores, piscas, espelhos, faróis, lâmpadas, etc). A única troca que fiz até agora foi guardar os piscas originais e colocar os da Intruder 125, que acha em qualquer esquina baratinho. E coloquei uma corrente de motocross, na largura certa e só ajustei o tamanho. Lembre que as peças da Royal são baratas, pode nem ser vantajoso pegar uma peça compatível de outra moto. Cada caso é um caso.


21- QUAL GASOLINA USAR NESSA MOTO?
Qualquer uma! A que tiver no posto! A que você prefere! Eu dou preferência para as superaditivadas (Shell Vpower, Petrobras Grid, Ipiranga DT Clean), depois as aditivadas normais ou a comum. O motivo disso está neste estudo que fiz com 450 tanques por 100.000Km: Gasolina – Teste Prático .


22- POR QUE O FREIO TRASEIRO AINDA É A TAMBOR?
Somente a Bullet sem ABS e a Classic sem ABS que tem freio a tambor traseiro. Todos os outros modelos Royal tem disco traseiro. Em 2019 a Bullet deve vir com ABS e freio a disco traseiro também. Embora “arcaico”, o freio a tambor segura muito bem a moto. O cuidado é o ajuste do acionador/vareta, e quando molha MUITO a lona de freio incha e pode travar se estiver sem folga.


23- SOBRE O ABS, COMO É? E TEM COMO DESLIGAR?
O ABS é oferecido nas Classic e Continental GT. Tem sensor nas duas rodas, e não desliga. As Bullet estão vindo sem ABS ainda, mas a partir de 2019 devem vir também com ABS, para atender a legislação brasileira. A Himalayan tem ABS também nas duas rodas, e não desliga.


24- TEM CONSORCIO? FINANCIA? PEGA MOTO USADA NO NEGÓCIO? QUE CORES TEM? QUANTO CUSTA CAMISETA, LUVA, JAQUETA, ETC?
Só pra lembrar, não sou funcionário da Royal Enfield! Dúvidas comerciais, liguem para as revendas! LIGUEM, não mandem email, zap, inbox de facebook, LIGUEM TELEFONE, VOZ, do jeito antigo! Vejam a lista de revendas na pergunta 5, ou consultem o site oficial da Royal Enfield: Royalenfield.com/br/


25- PARCEIROS DE VENDA EM OUTROS ESTADOS
PR/CURITIBA – Club 1903 Motorcycles – Fone: (41) 3029-0095
ES/VITORIA – Adventure Motorsport – Fone: (27) 3029-3939


26- O MODELO QUE QUERO NÃO VENDE AQUI AINDA. POSSO IMPORTAR?
Eu já fiz essa pesquisa para importar Virago 250 alguns anos atrás. Uma pessoa física precisa acionar um monte de gente no processo (importadora, container, porto, despachantes), fora as centenas de taxas e prazos. A moto acaba saindo muito mais caro. O orçamento de 10 Viragos 250, que lá nos EUA eram 3500 dólares, chegava aqui por 19000 reais, e isso uns 8 anos atrás.


27- O MODELO QUE QUERO NÃO VENDE AQUI AINDA, MAS TEM EM UM PAÍS VIZINHO. POSSO IR LÁ COMPRAR E VOLTAR RODANDO PRO BRASIL?
Pesquisei esse assunto para comprar a Himalayan em Bogotá e voltar rodando pra Brasília. A nossa legislação permite a entrada TEMPORÁRIA de veículos APENAS para estrangeiros e brasileiros residentes no exterior, EM VIAGEM. O viajante deve renovar a autorização a cada 90 dias, e a cada 180 dias o veículo tem que sair do país para pegar nova autorização para entrar de novo. Ou seja, se você MORA no Brasil, esquece fazer isso legalmente. Se você quer fazer ILEGALMENTE, é problema seu. “Ah Bressan, mas conheço um cara que mora em Foz do Iguaçu, etc, etc”. Fala com ele então! As cidades fronteiriças tem regras de exceção, e o veículo não pode sair da cidade. Lembra das motos que a OCC fez para o Brasil, aquela que homenageava Brasília? O cara que encomendou as motos fez a entrada temporária dos veículos para participarem de um evento em 2007. Depois não renovou as autorizações, as motos ficaram ilegais, a Receita Federal acionou a Polícia Federal, apreenderam as motos e elas foram leiloadas em 2012. Ou importa legalmente pagando caríssimo, ou espera o modelo chegar oficialmente na concessionária. Não faz rolo não que vai dar merda.


28- QUAL A PRESSÃO DOS PNEUS?
O manual da Classic (e provavelmente da Bullet e GT) recomenda 18/22 mas muita gente não se sentiu bem com essa calibragem. Nas revisões na concessionária, elas saem com 26/32. É um sinal de que o manual está errado por algum motivo. Mas veja, calibragem recomendada no manual é apenas uma referência! Calibrar pneu varia com a temperatura, altitude, tipo de pavimento e até com o pneu utilizado. Eu uso pneus mistos on/off road na minha Classic, e calibro conforme o piso que vou passar, com pressão que me sinta confortável/seguro para o trecho. Experimente você também, sem neuras de precisão alemã sobre os valores a serem utilizados.


29- E ACESSÓRIOS, TEM? ONDE ENCONTRAR?
Vamos fazer uma lista de lojas, fabricantes, etc. No Brasil não tinha nada, mas agora depois de 18 meses já começa a aparecer opções. No exterior tem MUITA coisa, especialmente em sites da Índia, obviamente. As Royal são ótimas para customização, tudo parece que combina (exceto bauletos de plástico! kkk). E você também pode criar algo conforme sua necessidade. Valorize o artista local! Procure, encomende, compre acessórios feitos no Brasil.

No Brasil:

AREA FABRICANTE ITENS
ALFORGES Rústico Viajante alforges, malas, em lona e couro
ALFORGES Charruas Vintage Bags alforges, malas, em lona e couro
ALFORGES MCA Alforjes alforges, malas, em lona e couro
ESCAPES Customer Motos Escapamentos e ponteiras para Classic/Bullet e Himalayan
PROTETORES Protetor de cárter Protetor de cárter feito pelo Fernando Cominato para sua Classic 500. Está sendo vendido pelo serralheiro que fabricou. 
PROTETORES Alexandre Terroni
Fone 16-991126344
Classic: mata-cachorro, protetor de carter
ALFORGES Maurício Mareca
Fone 11-975460205
Classic: alforges em lona e couro, protetor de tanque, mata-cachorro
Himalayan: protetor de motor, afastador de alforge
SIDECAR Motocarga Sidecar de vários tipos, já com modelos para a Classic 2017
PROTETORES Dalavas Classic: Protetor de motor, mata-cachorro, bagageiro
AJUSTE INJEÇÃO RedLine Racing Fabrica equipamento tipo PowerCommander, compatível com nossas Royal 500cc
FILTRO Moldspuma
Fone 18-997620572 com Patinho
Classic: Filtro de ar lavável, similar ao K&N. Indicação do Paulo Padero
FILTRO RXC Design
11-99993-7751 com Raphael
Classic: Filtro de ar lavável, similar ao K&N.
PROTETOR Bressan
61-984011486
Himalayan: Protetor burrinho de freio traseiro
ACESSORIOS DXT MOTO
(11)98259-6363 com Carlão
Classic: Sissy-bar, banco rebaixado, bagageiro
MALAS LATERAIS EGEA CAIXAS
(19)98126-3804 com Egea
Himalayan: bagageiro mais reforçado, malas laterais e suportes
BAGAGEIRO João Muriel
(11)94314-1336 com João
Himalayan: bagageiro mais reforçado em aço-carbono maciço
BAGAGEIRO Serralheria Benedetti
(11)3621-6235 com Benedetti
reforço para o bagageiro da Himalayan
DEFLETOR Hugo Defletores
(15)99837-7441
Defletor para a bolha da Himalayan

No Exterior:
Classic Motor Works – loja de motos, peças e acessórios no Texas, USA
Harris Performance – a preparadora oficial da Royal Enfield na Inglaterra
Hitchcocks Motorcycles – preparadora inglesa independente, tem várias peças e acessórios para melhoria de performance.


30- É VERDADE QUE A HIMALAYAN QUEBRA, ENFERRUJA, TEM MIL DEFEITOS?
A Himalayan (que é uma moto projetada na Inglaterra e fabricada na Índia) foi lançada em 2016 na Índia, carburada, e essa primeira versão teve um % de problemas de qualidade de materiais. A Royal Enfield revisou tudo em abril de 2017, identificou e corrigiu todas as falhas. A versão atual está sendo muito bem recebida em todos os países para onde é exportada (com injeção eletrônica, ABS, Euro4), sem qualquer sinal daqueles problemas antigos de 2016. Deve chegar aqui no Brasil agora em julho/2018 setembro/2018 outubro/2018 novembro/2018. 22/01/19 veja matéria.


31- POR QUE O ESCAPE FICA AZULADO? TEM CONSERTO?
A coloração do cromado do escape é normal ocorrer na curva logo na saída do motor, e lá na ponteira (olhe por baixo da capa!). É resultado do calor naqueles pontos e reações químicas do cromado com o ar em volta. É NORMAL! Alguns casos ocorrem mais cedo outros mais tarde, mas todos ficam amarelados ou azulados com o tempo. Isso acontecia nas motos japas dos anos 80, 90 também. Hoje não se vê muito porque os fabricantes ficaram espertos e disfarçam o problema com canos duplos (o de fora esquenta menos e não fica colorido) ou capas cromadas por cima do cano quente.


32- MEU MECÂNICO FALOU QUE TEM QUE REGULAR AS VÁLVULAS DEVIDO AO BARULHO, ESTÁ CORRETO?
O motor da Bullet, Classic e GT tem comando de válvula VARETADO, e tucho hidráulico. O tic-tic é normal, e não precisa regular válvula. Como tem muitos anos que esse tipo de motor não aparece nas oficinas, tem MUITO mecânico (e palpiteiro de plantão) que não conhece essa característica ruidosa NORMAL.

Já o motor da Himalayan é projeto NOVO, tem comando de válvula no cabeçote acionado por corrente, igual a grande maioria das motos modernas. Tem necessidade de ajuste periodicamente, nas revisões, em período indicado no manual da moto. Fora isso, pode ser necessário um ajuste devido ao amaciamento e acomodação das peças.

Obviamente, tudo tem um limite, inclusive esse barulho. A primeira coisa a fazer é conferir o nível do óleo, pois se estiver baixo a lubrificação diminui e esse barulho aumenta. Se está muito estranho, diferente de quando era zero, pare a moto, grave um vídeo do motor funcionando e mande para a concessionária (você DEVE ter o zap do vendedor da loja, não?). Compare com a dos outros proprietários, use os grupos de zap/face para fazer contatos. Se todo mundo falar que está normal e mesmo assim você estiver cismado, aproveite uma revisão para fazer o check-up. Te garanto que quando for ANORMAL, você não vai ter dúvidas!


33- AQUELE ACESSÓRIO REDUTOR DE VIBRAÇÃO DA CARBERRY FUNCIONA?
Alguns clientes brasileiros compraram, mas não instalaram, pois tem que abrir o motor. Não sabemos se funciona. EU DUVIDO! Se funcionasse já vinha original de fábrica, pois seria um avanço ENORME que bilhões de indianos querem!


34- E A HIMALAYAN 650 VEM PRO BRASIL?
A Himalayan 650 por enquanto é um boato especulativo de vários sites indianos. Fizeram até uma fan art q volta e meia reaparece no zap a face do Brasil. Sim, a Hima 650 um passo lógico já q os novos motores bicilíndricos de 650cc foram lançados oficialmente (ver Interceptor e Continental GT). Os jornalistas indianos especulam inclusive em ser possível Bullet 650, Classic 650. Isso tudo aliado a informes oficiais da marca de que vão lançar novos modelos nos próximos anos. Mas não dizem quais, e a Hima 650 sempre foi negada pelo presidente da Royal. De qualquer forma, vamos dizer que lancem em 2020… Chuto 2021 ou 2022 no Brasil. Serão muitas emoções! Até lá, curtam as motos que temos e não contem com o ovo no cruj da galinha.


35- DÁ PRA MUDAR A COROA OU PINHÃO DA HIMALAYAN E TER MAIS VELOCIDADE FINAL?
CLARO QUE DÁ! Em mecânica tudo é possível, basta criar a peça! Se vai valer a pena e prestar aí é outra conversa. Não existe almoço grátis… se mexer na relação para aumentar a velocidade, vai perder torque, alterar o consumo, tempo de retomadas. Até o momento não temos notícia de coroa ou pinhão compatível para fazer essa experiência no Brasil, mas pode ter na Índia algo já disponível. Se descobrir algo comente aqui no post.


36- AS MOTOS ROYAL ENFIELD SÃO MONTADAS NO BRASIL?
Não, as únicas fábricas são na Índia (tem 3 unidades de fabricação lá) e as motos são exportadas para todo o mundo inteiramente montadas. Apenas o espelho vem desmontado, para otimizar a caixa.


37- TEM PLANO PARA FABRICAR NO BRASIL?
Em 2012 quando as motos eram vendidas através de um importador parceiro brasileiro, ele citou existir esse plano. O plano deve existir mesmo, pois um negócio que quer ser mundial precisa saber quanto custa sua estratégia para então decidir se executa ou não. Não sabemos se essa fábrica no Brasil vai se tornar realidade, nem quando. Ainda é muito cedo (na minha opinião). A Royal Enfield não tem nenhuma fábrica fora da Índia ainda, mas anunciou em 03/04/18 que vai abrir uma fábrica na Tailândia, que está prevista para iniciar operação em JUNHO/2019.


38- SE FABRICAR NO BRASIL, OS PREÇOS VÃO BAIXAR OU SUBIR?
Espero que baixem, sempre! Mas lembro que comprei a Classic 500 em 2012 por 20000 reais, e hoje 2019 as motos estão na mesma faixa de preço, variando de 18990 a Bullet e Himalayan, até 24000 a top Continental GT 535. Absorveram as variações do dólar e não repassaram aumentos para os produtos. Estão se estabelecendo no mercado, não tem muita margem pra subir preço.


39- QUE MERDA É ESSA DE REVISÃO AOS 500Km?
A primeira troca de óleo é uma das mais importantes de qualquer moto! O manual dos quatro modelos (Bullet, Classic, Continental GT e Himalayan) indica a primeira troca de óleo e filtro aos 500Km. Também estão indicados lá os itens a serem inspecionados, e basicamente é reaperto de parafusos e raios. NAS MINHAS VIAGENS INAUGURAIS só troquei o óleo aos 500Km, na casa de amigos, no posto de gasolina, onde dava pra fazer eu fiz. Outras motos zero que tive, a Suzuki Boulevard M800 e a Suzuki Boulevard M1500, japas de alta precisão e qualidade, tinham a primeira troca aos 800Km. Isso quer dizer que as Royal Enfield não tem qualidade de motor, de fabricação, de montagem? Obviamente que não. Cada máquina tem uma especificação, e a delas é essa. Não gostou, não compre! Se gostou e comprou, RESPEITE E SIGA O MANUAL DA MÁQUINA!


40- QUAL MODELO DA ROYAL É MELHOR NA ESTRADA?
PRA MIM, o motor maior será melhor na estrada, trabalhará mais folgado. Portanto, a GT 535 NA MINHA OPINIÃO é a melhor na estrada no quesito motor. MAS, ela não tem facilidade para carregar bagagem nem garupa. Praticamente não tem acessórios pra facilitar a instalação de alforges, e a garupa tem que te amar muito pra viajar nela. A Classic e a Bullet, com 500cc, vão rodar com folga também, levam melhor o garupa e já tem vários acessórios no mercado para facilitar levar bagagem. A Himalayan com seus 411cc também viaja bem na estrada, só que com o motor mais “forçado” em relação às 500cc. Todas viajam a 120Km/h, mas a Himalayan estará em 6000RPM, enquanto a GT está em 4000RPM nessa mesma velocidade. Isso também se reflete no consumo de gasolina! O banco da Himalayan é legal pro piloto e pra garupa, a suspensão alta dá um conforto melhor nas estradas ruins, e leva bagagem muito prática com alforges de cordura ou mesmo com as malas metálicas. Resumindo: VOCÊ QUE TEM QUE AVALIAR QUAL USO FARÁ DA MOTO E SUAS NECESSIDADES!

COMPARATIVO

MODELO VEL MAX BAGAGEM GARUPA ACESSORIOS BANCO CONSUMO
CIDADE/ESTRADA
Continental GT 150 pouco prática tem que te amar muito nenhum não é ruim 31/25
Classic/Bullet 140 muito prática vai bem já tem bom 31/25
Himalayan 130 muito prática vai melhor ainda poucos melhor 29/23

—————-

É isso. Sugestões e novas dúvidas, vou adicionando e pesquisando as respostas.
E desculpem se o texto é “bruto”, mas sou direto ao ponto, não fico enrolando nem amaciando. Ninguém tem tempo a perder.

Abaixo algumas fotos da minha “Marciana” em sua viagem pela Amazônia:

Na partida, com os galões de jipe transformados em malas laterais e cheios de tralhas.
Partida

Atravessando a BR-010 no Tocantins, região da Terra Indígena Xerente

Já na Transamazônica, após Marabá entrando na Terra Indígena Parakanã

Placa de boas vindas a Novo Repartimento. Tinha rastro de onça na beira da estrada.

Placa no trevo de entrada em Novo Repartimento, Pará.

Medicilândia, onde começa o trecho de 1600Km de terra até o final da BR-230 – Transamazônica

Instalando o pneu dianteiro misto em Placas, Pará. Choveu forte no meio da noite, me preparei pra algum eventual barrinho.

Placa no trevo de Rurópolis, já com o pneu misto na dianteira.

Ponto de apoio 180Km após Itaituba, indo para Jacareacanga. Um dos trechos mais difíceis.

Trevo na entrada de Jacareacanga, Pará.

Placa na divisa do Pará com Amazonas

Entrando na Terra Indígena Tenharim, após longa noite de chuva.

Placa no trevo de Humaitá/AM

BR-070 trecho de terra, já pertinho de Brasília.

Compartilhe!

69 Responses »

  1. Excelente site! Parabéns!E também parabéns pelo canal do Youtube. Quanto à troca de pinhão da Royal Enfield Himalayan, o canal Anderson Flor87 mostra a troca de pinhão de 15 dentes (original) pelo de 16 (link: https://www.youtube.com/watch?v=VYlyhpcoy6Y). Achei muito interessante e espero que ajude a muitos! Saudações.

  2. Gostaria de saber porque a Coroa de transmissão da Bullet 500 é feita de ferro fundido e não de aço como seria o correto ? Esse material da coroa é de péssima qualidade reduz a vida útil da peça em pelo menos 10 mil km . Isto deve ser corrigido é falha grave a peça perde dentes já nos 12 mil km ..Uma B….

    • Então, um dos motivos de eu ter me decidido pela versão Classic 500 da Bullet foi a questão da coroa de ferro fundido. Eu tinha conta no FB na época e pelo que acompanhava do grupo, a ideia que se desenhava é que provavelmente a Classic e a Bullet, embora sejam a mesma moto, tenham lotes com peças diferentes, de fornecedores diferentes e talvez sejam montadas em diferentes plantas industriais. Não lembro o quanto isso era verdade e o quanto era especulação, mas acabei decidindo pela Classic que eu – ESPERO – que não dê esses chabus.
      Boa sorte!!!

    • Ferro fundido é muito resistente e tem é auto lubrificante, por isso as melhores guias de válvula são feitas desse material ou de bronze fosforoso que tem a mesma característica.

  3. Tenho uma dúvida. No manual da Himalayan fala que a quantidade de óleo é 1,8 l no primeiro enchimento e 1,6l nas outras trocas, inclusive trocando o filtro. No manual de serviços em inglês da informação de 2,0l no primeiro enchimento e depois 1,8l.enfim qual o correto? Abraço a todos

  4. Mestre! só digo isso, mestre ! comprei minha primeira moto, uma himalayan, estou inlove, agora só falta colocar na estrada

  5. Estou vendo e lendo tudo o que você escreve. Muito bom, direto e sem frufru. Me apaixonei pela Royal Enfield. A princípio vou comprar uma Himalayan, mas as Classics me deixam babando.
    Sou luthier e gosto muito de fazer as coisas que uso. Você que fez as malas laterais com galão de jeep?
    Pode postar fotos e dar uma explicada como é o sistema de abertura e onde conseguiu os galões?
    abraços, espero te conhecer um dia pessoalmente.

    • Obrigado Marcos! Sim, fizemos as malas de galões de 20 litros que os jipeiros usam. Tive a idéia e o Danilo (irmão do moto clube) que fez. Encontramos os galões em um ferro velho a 120Km de distância. Reformamos e adaptamos para o que precisava. As aberturas são basicamente dobradiças, linguetas e cadeados.

  6. Bressan, parabéns pelo site. Vejo que está sendo atualizado. Por favor registre mais uma quebra de bagageiro de Himalayan. Estava com o baú vazio (Givi 45L) e só o enchia com a moto parada no estacionamento (para deixar o capacete e as luvas). É bom para os colegas entenderem que ele é pouco mais do que decorativo. Outro ponto que gostaria de ressaltar é que, para quem faz trilha, tombar (pelo menos para o lado esquerdo), entorta o pedal de marcha. Outra coisa, o kit de ferramentas não traz a Allen que desparafusa o pedal. Quando passar por Uberlândia, me avise para nos conhecermos. Acho que a minha Himalayan é a única da cidade. Um abraço.

    • Faltou dizer que é importante colocar o protetor de motor para proteger os pedais em caso de queda ou simples tombamento. Obrigado

  7. Ohhh se viaja, o ruim é quando acaba! Fiz em dezembro a primeira viagem acima de 400k 472km na ida mais alguma coisa por aí na volta para Curitiba pelo Rastro da Serpente, eita coisa boa estrada perfeita para ela diversão garantida nas tantas curvas onde acelera e reduz constantemente e da lhe torque!

  8. Meus parabéns Bressam, de milhas de distância, a melhor matéria, moto-notícia, jornalismo e etc que existe sobre a Royal-Enfield. Nem a Royal tem algo parecido, agora entendo porque eles lhe escolheram para a apresentação da moto no Brasil, na minha humilde opinião, Você e o Guilherme do Moto Relax, são os embaixadores oficiais da Royal. Mais uma vez, parabéns por seu trabalho. Abraço

    • Ariel, muito obrigado pelo comentário! A página é um esforço conjunto dos proprietários, cada vez sugerindo mais temas. Dou meus pitacos.

  9. Olá Bressan, tudo bem? Excelente FAQ, muito obrigado! Estou apaixonado pela Royal Enfield Himalayan e estou considerando seriamente adquiri-la quando abrir loja aqui em BH. Você recomendaria como primeira moto e para uso urbano? É complicada ou fácil de pilotar no trânsito? Sou piloto iniciante e adoraria que a Himalayan fosse minha primeira motoca desde que possível e indicado, claro. Obrigado e grande abraço!

    • Com certeza, uma moto versátil e economica para o uso urbano, e amigável para ser uma primeira moto. Só tens que ver sua altura (entre 1,60 e 1,85 o pessoal diz que fica confortável e acessível), e se possível fazer um test-drive para confirmar sua preferencia.

      • Obrigado, Bressan. Tenho 1,85m então nesse aspecto estarei tranquilo. Farei o test ride. Um abraço!

  10. Tá tudo aqui mesmo!!! Graduação, Mestrado em Doutorado Em Royal Enfield! o guia definitivo sobre o mundo Royal!
    Super parabéns, Bressan e equipe!

    • To ainda prestando o vestibular da RE!!!! rsrsrs Ta me ajudando muito isso tudo que vocês fazem, Bressan, equipe e você Guilherme! Estou em Fortaleza no CE…. já pensando quando comprarei a minha classic 500 Battle green !!! abração

  11. Excelente o site. Muito bom mesmo. Adquiri uma Classic Squadron Blue recentemente e vim rodando de SP para o ES, com garupa e bagagem. Top!!

  12. Excelente matéria… com esses 2 Jerry Cans ai, dá para dar a volta no Brasil kkkkk

    Abs!

    • eheheh estavam cheios de tralhas (ferramentas, sobressalentes). Tinha um galão de 5 litros pra gasolina reserva, que nem precisou.

  13. Bressan, poderia nos ajudar fazendo uma lista de peças paralelas que podemos comprar para a moto?

    e qual filtro de ar voce comprou para por na sua Royal ao fazer essa viagem?

    pois ja ouvi falar que o filtro de ar dela é o mesmo do fusca.

    • As peças originais são baratas, não vejo sentido em fazer lista de peças paralelas. Todos os sobressalentes que comprei pra viagem amazônica foram originais. Em 2015 eram mais baratos que hoje, com certeza.

  14. Eu estou a um certo tempo namorando uma Bullet 500. Não curto velocidades altas e atualmente tenho uma singela CG150.
    O meio receio é que nas imagem ela me parece ser uma moto baixa. Eu tenho 1,85 metros. Será que ela não é muito baixo pra minha estatura?
    Outra dúvida é que moro em Santa Catarina e fica muito difícil ir até São Paulo para comprar a moto.
    Será que é possível comprar sem ir fisicamente na loja?
    Obrigado.

    • Existem alguns proprietários de Bullet/Classic com sua altura, estão indo bem. Mas o ideal é você fazer o test-ride. Em Floripa tem alguns proprietários e pela Fanpage no facebook você pode entrar em contato e quem sabe marcar um batepapo ao vivo. Sim, podes comprar por telefone, fazer o depósito e eles despacham a moto pro seu endereço. Liga pra revenda e combina tudo com o vendedor.

      • Vou entrar em contato com a revenda, sim. Já estou quase terminando de juntar o dinheiro.
        Acredito que as Bullets, apartir desse ano, começaram a vir com ABS.
        Vou aguardar até aparecerem lá no site.
        Obrigado pela atenção.

    • Tenho o mesmo tamanho que você, fica muito confortável. Ela é bem mais alta do que as CGs, não é uma moto baixa, não, acho que é impressão sua.
      Acho que tem concessionária em Curitiba, menos longe para você.

      • Obrigado pela resposta. Nas imagens realmente aparente ser uma moto baixa mas se for mais alta que a CG 150, já está valendo, hehe

        • É que você não viu pessoalmente. Nas fotos parece uma moto pequena, mas não é, não. Eu sofria na minha Intruder, quando fui comprar mais uma moto essa era uma das preocupações, que eu ficasse menos “dobrado” no veículo.

  15. Boa noite! Sou de Brasília tb e estou louco para comprar uma battle green igual a sua. Acho que te vi passando em frente a Candangolandia a um tempo atrás, não sei, e ela me chamou muito a atenção. Obrigado pelas dicas ai, fez minha paixão aumentar.

    PS. Minha esposa te odeia por estar me induzindo a comprar uma hahahaha

      • Boa noite, comprei uma usada numa loja de São Paulo… Alegaram que o dono anterior perdeu na mudança, mas apenas depois termos fechado o negócio!!! Ou seja tenho que ficar vasculando informações pela internet. Numa dessa fiquei sabendo que conseguiu colocar uma tampa de combustível com chave, gostaria de saber de qual moto?!. Obrigado.

        • Acho que você pode solicitar um manual novo na concessionária, não? Minha Classic 2012 tem tampa com chave, já veio original.

  16. Bressan, já trocou a relação completa ? Pelo que vi na minha, a coroa não é igual as que vejo sendo vendidas no e-bay.
    E sabe dizer se existe filtro de óleo no mercado nacional que possa ser utilizado na Classic 500 ?
    Obrigado pela atenção e parabéns pela excelente matéria e experiencia de vida.
    Att,
    Marco Radich

    • Marco, da Classic troquei a relação completa 1x (12000Km) e apenas a corrente (17000Km). Eu sou relaxado com a corrente. Na primeira quebra comprei o kit original completo (na época foi 200 reais, coroa, corrente e pinhao). Aí pensei, esse troço é barato, vou ver quanto dura. E não lubrifiquei, quebrando a corrente com 17000Km. Nesta vez, troquei apenas a corrente, botei aquela de motocross (segundo o vendedor). E essa terceira corrente e segundo pinhão/coroa estão nela até hoje (56000Km).

      Filtro de óleo paralelo ainda não tem. O que tem sendo vendido no ML é feito na India e comprado pelo correio. Coisa que nós podemos fazer sozinhos né?

  17. Olá! vi seu artigo, muito bom, explica muito sobre o assunto, mas, queria te pedir uma informação, caso tenha condições de me dar …
    Eu gosto muito de motos antigas, eu tenho uma royal de 1949 (funcionando) e preciso de peças pra ela, o kit de embreagem e um distribuidor, não acho em lugar algum e na internet também não encontrei.
    saberia me indicar um lugar onde eu possa procurar peças antigas dela?

    • Para motos dessa época, o melhor lugar é Inglaterra. Essas peças devem estar “fora da internet” então uma dica é contatar de alguma forma os vendedores de peças no Ebay da UK, ou as empresas que trabalham com peças e acessórios da marca, para iniciar um fluxo de informação. No Brasil, falar com colecionadores como o de Sumaré/SP, por exemplo. Se usas facebook, na Fanpage Royal Enfield, contate o Zé Maurício que ele é amigo do colecionador de Sumaré.

  18. Ola Bressan, muito bom sua postagem…. boas informaçoes…

    eu tb comprei uma (classic 500) recentemente e estou adorando, é uma moto muito boa e honesta, cumpre muito bem tudo que promete….so estou sentindo falta de peças para customizar um pouco…. tenho encontrado somente pelo E-Bay, mas ok… caso tenha algumas dicas ficaria feliz em receber…

    • Aqui no BR realmente não tem nada ainda pra ela. O que estou encontrando é mais coisa leve, alforges, bancos, ferramenteiras de couro. Estou incluindo na FAQ em uma nova seção sobre acessórios. Eu gostaria de ver mais peças feitas no Brasil mesmo.

  19. Eu estou pensando em abrir mão da garantia. Estou duro e as revisões são uma facada no peito. Acho que vou comprar o kit e mandar fazer no meu mecânico, mesmo eu sendo de São Paulo.

  20. Bressan, como vai? Teria como informar qual a descrição do modelo que está contido no documento da moto? Digo isso pois comprei uma Classic 500 e no documento informa “Bullet C” alguma coisa assim. O Despachante informou que não insere nada pois os dados já estão cadastrados no sistema nacional. Achei estranho a descrição eis que a Bullet e a Classic embora derivadas são modelos diversos.
    Desculpe-me se não fui claro. Atte, Luiz.

    • Conferi no doc da Classic, e consta Royal Enfield Classic . Só lembro que foi em 2013 e sou do DF. Pode ocorrer alterações com o passar dos anos e também cadastros diferentes nos Detrans de cada estado?

  21. Bressan, muito obrigado pela resposta. Perguntei pois algumas informações dizem 2,75 litros. Na revisão então colocarei os 2,8. Estou gostando muito da moto e você foi um grande incentivador. Agradeço.

  22. Boa tarde Bressan! Quantos litros de óleo é colocado na primeira e posteriores trocas para a Classic 500? Na concessionária informaram 2,4 litros. É isso mesmo?

    • Luiz, falei com meu mecânico, botamos 2,8 litros nas trocas da Classic 500 depois de escorrer TODO o óleo e tirar o filtro de óleo. A primeira troca não sei te dizer, foi em 2012!

    • “Royalpedia”, perfeito, Guilherme, haha! Sem dúvidas o Bressan é referência no assunto Royal Enfield.
      Eu continuo aqui, no meio do RS acompanhando vocês e esperando a oportunidade de ver uma RE pessoalmente. Abraços.

    • Depende do roteiro, Celso. Para viagens normais (asfalto, sem aventuras), levar nada. Se a km for alta, levar filtro de oleo. Se tiver muita terra, levar filtro de ar. Talvez tambem cabo de acelerador, velocimetro. Levei pra viagem da transamazonica, usei só filtro de oleo e ar.

  23. muito bem explicativo este post, estou muito interessado em adquirir uma Royal, mas como bom mineiro tenho muito receio ainda, mas vou continuar a pesquisar antes de comprar outra moto.

    • também pretendo pegar uma e estou pesquizando também, quais seriam seu receio ? Pergunto isso para me auxiliar nas pesquisas e decisão

      • Tenho duas RE! Minha Classic 500 já está com 50mil km, e a Continental GT só me dá alegria. Qualquer dúvida estou às ordens. Não sou funcionário, muito menos sou pago pela fábrica pra falar da moto. Apenas estou compartilhando minha experiência com ela.

        • Oi, Bressam
          Como vai?
          Meu mecânico aqui no RS diz para trocar os tuchos hidráulicos. O ruído está acima do normal.

          Pode me indicar aonde eu consigo.
          Vou precisar das juntas também.
          Obrigado

          • Se sua moto é de 2017 pra cá, ela está na garantia. Acione a Concessionária.
            Se sua moto é das 2012, o motor é o mesmo e as peças podem ser encomendadas também na Concessionária.
            Gravou o som do motor como sugerimos? Me envia lá pelo messenger do facebook.

          • Prezado, bom dia! Quanto de óleo você coloca no motor de sua Classic nas trocas? O manual diz 2,5 e aparentemente é pouco. Pode me esclarecer por favor?
            Atte.

          • Bom dia Joel, tudo bem? Qual modelo de RE você tem e em que cidade mora? Pergunto pois moro em Santa Cruz e tenho muita curiosidade de ver uma moto dessas pessoalmente.
            Abraço.

  24. Boa matéria Irmão! Bom Demais… O que mais me chamou atenção foi os valores (R $) das peças que vc substituiu, justo para uma 500 cc…

  25. Excelente! É isso, é moto sem fru fru!
    Se vc só andou em japonesas, nunca andou numa MOTOCICLETA de verdade!!!! Experimente a Royal, e aí poderá dizer ” já andei numa Motocicleta com M maiúsculo”!!!!

  26. Legal. Bem elucidativo. Com isso, quem quiser deixar de comprar uma Twister 250 e andar em uma Royal 500, sabe que irá gastar bem menos e ter mais confiabilidade por quase a mesma coisa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *