Brasilia-Buenos Aires – 2007 – II

Brasilia-Buenos Aires – 2007 – II

Apesar de um dia de atraso, a reserva no hotel em Punta Del Leste foi validada e fomos otimamente hospedados. Aproveitando o entardecer, fomos caminhar pelo centrinho e conhecer o que pudéssemos! Punta é mesmo muito linda, um balneário “de primeira”. Um pouco famintos e cansados, fomos experimentando os petiscos e cervejas uruguaias! Até arriscamos uma passadinha na praia, pra confirmar que a água é bem gelada mesmo, e o vento, forte. No dia seguinte um novo passeio por outra parte da cidade, observando de longe o Cassino Conrad. A orla está se modernizando, com novos arranha-céus despontando no horizonte. Uma visão comum em todo o Uruguai foram os carros antigos nas ruas, alguns simplesmente abandonados.

Um pouco depois do meio-dia rumamos para Montevidéu, pela estrada litorânea. Há que se elogiar as estradas uruguaias! Simplesmente perfeitas, três pistas duplicadas, sem buracos, lombadas e outras maluquices do Brasil. Durante o trecho, notei várias vilas com nomes brasileiros, dando um pouquinho de saudade: Pão de Açucar, e outras. Não parei pra fotografar… o que já é um aprendizado: Em viagem, não economize fotos! 😉 Ao redor da estrada, vários ferros-velhos e depósitos de carros antigos, onde dava pra perceber calhambeques da década de 30, por exemplo! Chegando em Montevidéu, nos hospedamos em um hotel perto do centro velho, onde tudo começou. Aproveitamos para fazer um city tour e conhecer a região metropolitana, bem como conhecer a vida noturna em um bar tradicional de música local. Vale a pena, pois o city tour é uma aula de história, visitando os principais pontos! Eu nem lembrava que o Uruguai ficou independente do Brasil! Acho que dei uma cochilada nessa aula, na escola.
No dia seguinte, uma exploração a pé pelo centro velho, onde conhecemos o mercado público e o museu do carnaval. Outra surpresa: o carnaval uruguaio dura 40 dias! Eles dizem que é o “maior carnaval” do mundo, explicando depois que o do Rio de Janeiro é “o melhor!” 😉 O interessante é que a origem da festa é semelhante à nossa, há mistura de credos e cultura afro. A apresentação é baseada em blocos de carnaval, o que me lembrou muito as festas “ingênuas” dos anos 50 no Brasil. Mais tarde, já noite, tivemos a oportunidade de ver várias uruguaias sambando, e prefiro pular esta parte! eheheh Andar de moto em Montevidéu é super fácil, pegamos um mapa e arriscamos um passeio independente. Um outro detalhe que me saltou os olhos foi que só tem semáforo na avenida principal do centro. Todas as outras ruas transversais e paralelas nao tem sinaleiras, nem placas de preferencial, e PASMEM, ninguem se bate, todo mundo para em cada esquina e respeita o outro veículo!
De Montevidéu seguimos até Colônia Del Sacramento, uma cidade fundada pelos portugueses na época da disputa pelo dominio do Rio da Prata. Fica em frente à Buenos Aires, do outro lado do rio. Tão largo que não se enxerga a margem oposta! É uma cidade patrimônio histórico, vale a pena visitar, muito aconchegante. E o buquebus, balsa que atravessa o rio, é bem mais rápido e barato! 😉 Ali experimentamos o prato típico uruguaio, a parrilada, mas não curtimos muito não. Na praça do centro histórico, encontramos dois conterrâneos, do Bodes do Asfalto MC de Sao Paulo, fazendo o caminho inverso (entraram pela Argentina e sairiam pelo Chuí) e batemos um ótimo papo.
10 dias depois de iniciada a viagem, deixamos o Uruguai cruzando o Rio da Prata no Buquebus, para comemorar o Natal na Argentina!

PRÓXIMA PÁGINA

Clique nas fotos para ampliar

Perto de tudo
Punta, perto de tudo!
Orla Atlantica
Orla Atlantica
La Mano!
La Mano!
Montevideu
Montevideu
Cidade Velha
Cidade Velha
Mercado Publico
Mercado Publico
Museu do Carnaval
Museu do Carnaval
Congresso
Congresso
Colonia
Colonia
Casario antigo
Casario antigo
Muralha
Muralha
Touradas
Touradas

“Não explico porque ando de moto! Para quem gosta, não é necessário,

e para quem não gosta, nenhuma explicação é possível”

Autor desconhecido


Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *