Brasilia-Buenos Aires – 2007 – I

Brasilia-Buenos Aires – 2007 – I

Dia 15/12/2007, Eu e Lilian encaramos este desafio, sonhado há varios meses! Quase 18 meses antes, pra falar a verdade, quando botei na cabeça que faria esta viagem com uma nova moto, e comecei a fazer os negócios que me levaram à compra da Boulevard M800! Acho que vou contar isto em outro relato, senão ficará um prefácio muito longo!! 😉

O roteiro inicial previa passagem por Santiago do Chile, mas como as férias foram cortadas em 10 dias, ficaria muito puxado pra completar tudo, e decidimos então ficar “somente” com Brasilia/Montevideu/Buenos Aires! 8000km de viagem, um “aquecimento” para uma futura viagem até Ushuaia. Tendo o roteiro definido, fizemos reservas nos hotéis estrangeiros, pela internet mesmo. E adquiri a tal “Carta Verde”, o seguro obrigatório de veículos do Mercosul (isso deu um rolo depois…)
Para aumentar o suspense, o prazo da viagem ia chegando e nada de vender a Twister ou a Shadow! Já tinha resolvido as reservas e documentação, mas 35 dias antes do inicio da viagem eu não tinha conseguido ainda a M800! Estava olhando até usadas, mas por aqui só tinha modelo 2006 a venda, e esse eu não queria. Assim que a twister foi vendida, no mesmo minuto corri na concessionária mais próxima e dei entrada na tão batalhada Boulevard, com apenas 5000 reais! O resto que se exploda, pensei! Prazo de entrega 10 dias, o que daria 20 dias para amaciar, fazer a primeira revisão e partir.
Mas sabe como é… atrasa! O coração na boca! Faltando apenas 16 dias pra começar a viagem, a M800 chegou! Instalei nela os acessórios básicos: suportes/alforges, encosto de garupa com bagageiro, e o mata-cachorro com pedaleira (que nem usei pois não ficou bom pra minha altura). Amaciei a bruta rapidamente, mas dentro do recomendado pelo manual! Esta fase incluiu um passeiozinho de 200km à noite para chegar logo aos 1000Km, quilometragem da primeira revisão feita dois dias antes da partida! Na véspera, deixei tudo pronto, moto abastecida e equipada! Ninguem acredita, mas coube tudo que precisamos para 22 dias de viagem em dois alforges laterais (um pra mim e outro pra ela) e um alforge traseiro (capas de chuva e blusas de lã).
Então, dia 15/12, demos a partida para nossa viagem dos sonhos! Saímos cedinho, equipados até “os zóio”, pois chovia bastante. Até Floripa o caminho é meu “velho conhecido” das várias viagens anteriores. Desta vez resolvi fazer duas modificações: fugir da buraqueira de Catalão indo por Caldas Novas, Corumbaíba e Araguari, para então entrar na BR-050, e escapar da confusão do trecho de pista simples da Regis Bittencourt (BR-116) entre Embú e Taboão da Serra. Entrei por Sorocaba e peguei a serrinha até Juquiá, entrando na BR-116 perto de Miracatu. Foi um espetáculo esta serra! 80km de curvas e belo visual da mata. Velocidade de 60Km/h e a Boulevard fazendo 25km/l! Eeee trem bão! Aumentou um pouco o tempo de viagem, acabamos pernoitando a segunda noite em Joinville, para evitar pilotar à noite com chuva. A primeira noite, obviamente foi no Pinguim de Ribeirão Preto, para bebemorar a viagem! Sempre paro num hotel ao lado do famoso bar, pra beber tranquilo e voltar a pé mesmo! 😉
Em Floripa, passamos dois dias com minha familia, adiantamos o Natal um pouco, e logo zarpamos com meu pai para Porto Alegre seguindo o cronograma. O trecho sul da BR-101 estava (e ainda está) em obras de duplicação, o que tornou o trecho um pouco estressante. Em Osório, já no RS, entramos pela estrada do mar para curtir essa bela estrada. Demos sorte e conseguimos ainda contornar uma enorme nuvem de chuva! Em Porto Alegre, o primeiro imprevisto! Fiz o seguro “Carta Verde” pra Shadow, pois ainda não tinha garantido a Boulevard na mão, na época. Quis me adiantar, e acabei atrasando em um dia a viagem, esperando o documento correto chegar! Acabamos ficando dois dias na cidade, mas que foram também aproveitados, visitando parentes da Lilian e trocando reais por pesos uruguaios e argentinos. Agradecimentos ao Raul e ao Gil, que nos deram apoio no centrão da capital gaúcha!
Documento na mão, pé na estrada! Meu pai retornou para Floripa, e nós saímos no meio da tarde rumo a Pelotas, com previsão de pernoite em Rio Grande. Nos postos da estrada, conversa vai conversa vem, arriscamos ir mais além e fomos procurar hotel na Praia do Cassino por volta de 20h! Alta temporada, tudo cheio! Demorou mas achamos um bom hotel com preço decente. Pela manhã, atravessamos um dos trechos mais belos que já vimos, que foi o retão da Reserva Biológica do Taim. Paramos para tirar várias fotos dos animais da reserva, mas a câmera sem zoom não ajuda muito. Por volta do meio dia passamos pelo Chuí, onde exploramos um pouco a praia da Barra do Chuí, o ponto extremo sul do Brasil. Depois, retornamos à entrada oficial e atravessamos a aduana uruguaia sem maiores problemas. Cruzamos a Ruta 9 com fortes ventos laterais (deve ser aqui que o vento sul começa!) e final da tarde já estávamos em Punta Del Leste.

PRÓXIMA PÁGINA

Clique nas fotos para ampliar

Preparada
Moto preparada!
Vô Zezé!
Exemplo!
Pra que mais?
Pra que mais?
Logo ali...
É Logo ali…
Capivaras
Capivaras no Taim
Balneário Chuí
Balneário Chuí
Extremo Sul
Extremo sul do Brasil
Fronteira
Fronteira oficial
Bienvenido!
Bienvenido!

“Não explico porque ando de moto! Para quem gosta, não é necessário,

e para quem não gosta, nenhuma explicação é possível”

Autor desconhecido


Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *