Transamazonica 2015

Transamazonica 2015

Amigos,

No inicio de 2015 fui convidado por alguns amigos para participar de uma aventura: cruzar a BR-230 (Transamazônica). Já era um sonho antigo meu, só faltava uma oportunidade, então o convite foi juntar a fome com a vontade de comer.

Com o desenrolar do projeto, tivemos uma visão do JAQUES!

“Já que estaremos por ali”, aumentamos o desafio! Além da BR-230 incluímos a BR-319 (Porto Velho a Manaus – rodovia abandonada/vandalizada que a floresta tomou de volta) e a BR-163 (Santarém a Cuiabá). As três piores rodovias do Brasil, o “trio parada dura” com milhares de km de terra, pista simples, caminhões, um pouco de selva e lama.

Infelizmente, após a coleta de informações, definição da rota e vários detalhes acertados, um a um dos que me convidaram foram desistindo por razões de trabalho.

Ir sozinho? BR-230 é possível. BR-319 não é recomendável. BR-163 é possível. É bem difícil, mas é possível.

E a moto que eu escolhi pra fazer a rota, a Royal Enfield Classic 500, estava empacada na oficina com engasgamento crônico na alimentação de combustível. Creio eu que foi resultado de gasolina adulterada de Pirapora e João Pinheiro, na volta da viagem à Bahia em junho/2014. Claro que fizemos todo o processo de limpeza, várias vezes, com retorno do problema. Acabei desconfiando das gasolinas do centro-oeste também, mas testando com outras motos, não dava problema no mesmo posto de gasolina.

Em fevereiro, depois de mais uma limpeza geral e um passeio pela terra (para treinar), voltou engasgando novamente. Encostei a moto, para uma “autópsia” completa, tipo “entrar pelo escape e sair pela mangueira do freio dianteiro”… 😉

Nesse processo de teste-reteste, pede-espera-troca peça, já estava convencido que ia sozinho, e com outra moto.

Perdi o primeiro semestre todo, que ia utilizar para colocar a moto na lama da chuvarada de Brasília (verificar o comportamento dela no barro), descobrir os pontos críticos a serem modificados (altura do paralamas? altura do escape? proteções), praticar mais na manutenção da moto (eu mesmo fazer ajustes, regulagens, trocar pneus, etc), e fabricar os suportes/bagageiros necessários. Nada disso foi feito ainda.

Nos últimos 15 dias é que começou a ter notícia boa! Contatos feitos na viagem a Marabá e Belém permitiram encontrar integrantes do Os Papas MC, de Belém, que estão indo na mesma época pela BR-230. Já estamos juntos na empreitada!

E hoje a moto saiu da oficina, finalmente. Vamos testar a bruta pra ter certeza que tá respirando sem aparelhos! Espero não ter mais problemas, mas vou ficar preparado para o pior (como sempre).

É isso… quem quiser acompanhar essa maluquice toda, tem a página no facebook chamada Transamazonica 2015 ( facebook.com/transamazonica2015 ) . Para quem não tem nem quer ter facebook, alguma coisa vai ser colocada aqui no site do El Bando Moto Grupo

É com essa moto que vou!

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *