Final de semana estradeiro III – 2010

Final de semana estradeiro III – 2010

       Eleição chegando, voto em Brasília e trabalho no Rio. Mais uma desculpa pra pegar estradão!

       Parti do Rio de Janeiro na sexta à noite, depois da chuva, às 21:45h, BR040 acima. Embora sem chuva, o asfalto estava molhado e a moto ficou ainda mais suja do que já estava! Fiz um lanchinho em Petrópolis que me deu um sono danado. Nem sei como cheguei em Juiz de Fora! A rapaziada lá de cima trabalhou pesado na proteção. Três da madruga parei no primeiro hotel à beira da estrada que vi, derrubado (eu).

       Sono reposto, às 8h já estava rodando. Sem chuva o dia todo, nublado, no máximo umas gotas perdidas. Nem animava a botar a capa de chuva! A partir de BH comecei a escutar um zumbido novo, tipo uma cigarra, vindo da traseira da moto. Pensei no cardan na hora, lembrando dos casos recentes de avarias relatadas no BOG.

       Parando só pra abastecer e mantendo a regularidade, ás 15:07h parei no posto em Paracatu. Dez minutos antes do combinado com Lilian e os amigos do DF, que nao puderam vir devido ao dilúvio que desabou na regiao. Dei sorte, pelo jeito, pois cheguei depois da chuva ter passado. 18h entrei em Brasília, comemorando mais 1150km de uma viagem bem sucedida. Percebi que a cigarra só zumbia nas retas, e sumia nas curvas. Pode ser uma pedrinha no sulco do pneu, pensei.

       Foi quando acabou a gasolina, ali no viaduto do Gama! Aproveitei a descida, meti o ponto morto e rodei mais um pouco até chegar em um posto. 8km! Kkk

       Domingo, dia de votar. Pra não perder o costume de rodar, eu e Lilian reunimos alguns amigos e fomos tomar café no Jerivá, lanchonete na BR060 a 100km de distância! Na chegada, vimos um prego no pneu traseiro! Tava explicada a cigarra! Se alguém ainda duvida da segurança de um pneu sem câmara, pode relaxar!

       Lilian foi ao Jerivá com a dela e voltou com a minha, pra curtir e comparar. Depois fomos cumprir o dever cívico… bem do lado de casa! Eheh Agora amanhã a M800 vai pra revisão ampla, geral e irrestrita. 85mil km!

       É isso aí pessoal! Agradecimentos aos Desgarrados Múmia, Taticão e Paipai pela companhia no bate-volta ao Jerivá.


“Não explico porque ando de moto! Para quem gosta, não é necessário,

e para quem não gosta, nenhuma explicação é possível”

Autor desconhecido


Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *