II Hotdog Run

II Hotdog Run

14/05/2011

Cara, foi massa! Estamos adrenalizados até agora! Ehehehe

Saimos com chao seco da barra, mas ao passar pelo fundao, nao se via a serra, só a nuvem carregada! Pensei em parar no primeiro posto da W.luis, mas assim que saimos da linha vermelha alcançamos a chuva. Chegamos no posto encharcados! Eram 12h de sabado. A Lilian estava possessa: Nossas capas de chuva estao em Brasilia! Huahuahua

Aguardamos, vimos o vento levando as nuvens pro norte, e vi a previsao de sol em Juiz de Fora. Essa chuvinha vai passar, falei pra ela. Acabamos almoçando no posto mesmo, e as 14h seguimos adiante. Subimos a serra sem chuva, só a umidade de sempre. Mas estava muito frio, e compramos novas capas em Petrópolis, depois da dica do Begerron sobre o endereco da loja. De Petropolis adiante, tempo bom, até sol tinha! Eheh

Entramos no acesso correto desta vez, via Montserrat. A curta distância até a cidadezinha me fez lembrar da volta enorme que dei naquela madrugada chuvosa. Vimos um museu ferroviário, fechado. Talvez um motivo para uma nova visita futura. Fomos então para o hotel-fazenda, apreciar o fim-de-tarde e passar o tempo até que o quiosque do hotdog comece a funcionar. Não fiz reserva, achei que não teria muito movimento… que nada, estava lotado! Enquanto secávamos a roupa estirados no sol, o recepcionista fazia uma geral nas reservas para achar uma brecha pra gente. No caminho, vimos outras placas anunciando pousadinhas, então não me preocupei. Se não tem nessa, vamos pra outra, e se der tudo errado, tem Juiz de Fora por perto!

Resolvida a questão da hospedagem, fomos pra Simão Pereira as 19h, curtindo a serrinha e suas incontáveis curvas. O quiosque ainda estava fechado, então demos a volta na praça para fazer um reconhecimento do local. Haviam outros bares e lanchonetes, paramos numa bem em frente ao quiosque, e aguardamos. A gurizada jogando bola na quadra, os mais crescidos paquerando, e os adultos voltando da missa na igreja do outro lado da praça. É o centro da cidade de 2500 habitantes.

Mais tarde, o quiosque abriu, e lá encontramos não só a Dona Francisca, mas também o Said e esposa. Outro casal aventureiro, nos contaram vários causos de viagens pela região bem como dicas de novos lugares para conhecer. E o hotdog é muito bom também! Dona Francisca contou pra gente sua história de vida, lutas e esperanças. Batemos um ótimo papo! Fim de noite, o cansaço apareceu. Despedimo-nos e Said/Cláudia voltaram para Juiz de Fora e nós voltamos para o hotel.

Domingo, após o café mineiro, resolvemos ir até Juiz de Fora conhecer o mirante que o Said recomendou. No caminho, passamos pelo desvio do pedágio, por Cotegipe, e depois no Posto Chefão, Km800 da BR-040, aproveitei pra retornar à Pousada das Pedras pra Lilian conhecer. Foi onde pernoitei depois da Dona Francisca me emprestar o dinheiro do pedágio. A pousada é muito linda, mas o acesso é de terra e a entrada dela é casca-grossa, uma curva de 75 graus em descida, onde quase caímos após o guidão virar todo! Com reflexo rápido, Lilian fez um movimento ninja e equilibrou a moto. Eu devo ter feito alguma coisa também, pois minha perna direita está doendo até agora. Já estou com a esquerda ferrada, só falta detonar a direita mesmo! Mas sem a Lilian ali, ia ser um massacre, uma moto ogra e um idiota rolando ribanceira abaixo.

Bom, chegamos na recepção, apresentei o ambiente, conversamos com a dona (também motociclista). Pousada apresentada, retornamos à BR, e entramos em Juiz de Fora. Pegamos as dicas com os pedestres e chegamos no mirante, muito legal mesmo. De lá, ouvimos ao longe algum evento sobre segurança de trânsito onde rolou inclusive uma banda tocando muito bem The Wall Pt. 2. Ficamos ali um tempo curtindo o sol, o horizonte e a música. Depois disso, resolvemos ir embora, voltar pra estrada. No caminho bateu uma fome e quando vi um baita rango à beira da estrada, juntei a fome com a vontade de comer.

De volta à Simão Pereira, desta vez passando pelo pedágio, batemos algumas fotos. Do alto das colinas, dava pra ver o tempo fechando na direção do Rio. Resolvemos apressar a volta. Fechamos a conta e as 15h partimos. A BR estava movimentada, aumentando a concentração de carros conforme aproximando do RJ. Felizmente apenas um ou outro cabeçudo de quatro rodas na estrada, já vi coisas muito piores!

Em Petrópolis, uma paradinha rápida no posto Brazão e encontramos o pessoal do Cruzados MC. Descida da serra tranquila, com os pedágios lotados. Atravessamos juntos por Duque de Caxias, até a entrada da linha vermelha, onde como sempre, errei o acesso e fui parar na Av. Brasil. Peguei a saída pra Linha Amarela e na altura da Cidade de Deus a chuva veio com força! Entrei no corredor, buzina e farol, mas não adiantou muito.. na Vila do Pan, já estávamos encharcados de novo. O pior é que a chuva estava restrita àquela região! Depois do “Cebolão”, não chovia mais… só de baixo pra cima!

E assim chegamos em casa às 18h, depois de mais uns km pelas estradas do RJ.

Fotos aqui!. Clique em PREVIOUS para ver as outras fotos do mesmo passeio.


“Não explico porque ando de moto! Para quem gosta, não é necessário,

e para quem não gosta, nenhuma explicação é possível”

Autor desconhecido


Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *